EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

18 de Novembro de 2019

Conexão Portugal: Peniche vira a capital do surfe

O World Surf League promete trazer fortes emoções na briga pelo título da temporada, que tem como líder do ranking o brasileiro Gabriel Medina. Confira na edição da coluna Luiz Plácido.

Pela 11ª vez consecutiva, Peniche se transforma na capital do surfe para receber a etapa portuguesa do WSL (World Surf League), a penúltima etapa da temporada 2019 do Mundial de Surf.

O Meo Rip Curl Pro, que arrancou nesta quarta-feira (16) e vai até o dia 28 de outubro, promete trazer fortes emoções na briga pelo título da temporada, que tem como líder do ranking o brasileiro Gabriel Medina. Ele pode sagrar-se tri-campeão mundial já em Portugal, dependendo da combinação de resultados. Se chegar na final da etapa portuguesa e Filipe Toledo, segundo colocado, não chegar entre os oito primeiros, Medina entra no seleto grupo de surfistas tri-Campeões mundiais. Para já, apenas o australiano Mark Richards (1979/80/81/82), o californiano Tom Curren (1985/86/90), o norte americano Kelly Slater (1992/94/95/96/97/98/05/06/08/10/11), o havaiano Andy Irons (in memoriam) (2002/03/04) e o australiano Mick Fanning (2007/09/13) conseguiram tal feito perseguido pelo brasileiro. 

Outro brasileiro, Filipe Toledo vem logo atrás na briga pelo título, junto com o australiano Jordy Smith, que se encontra na terceira posição do ranking. Ítalo Ferreira, vencedor da etapa do ano passado de supertubos e vice-campeão do ano retrasado, corre por fora na quinta colocação. Ausentes estão dois campeões da etapa portuguesa no passado, John John Florence e Adriano de Souza, ambos por lesão. 

Quem esta de volta as areias portuguesas é o undecacampeão Kelly Slater, que venceu a primeira etapa lusa integrada ao circuito mundial de surf, no ano de 2010. Apesar de oito surfistas terem chances matemáticas de levantar o título mundial de 2019, apenas cinco podem assumir a liderança em Portugal e depender apenas das próprias forças na última etapa do circuito em Pipeline, no Hawaí. 

Para superar os atuais 48.015 pontos de Gabriel Medina, Filipe Toledo precisa chegar nas quartas de final e torcer para que Medina caia antes. Jordy Smith precisa avançar até as meias-finais e torcer contra os dois primeiros colocados. Ítalo Ferreira precisa chegar à grande final e torcer contra os outros quatro adversários e Kolohe Andino precisa ser o campeão da etapa. 

Tudo sobre: