Conexão Portugal: Inverno rigoroso

Até a Ilha da Madeira e a região Sul de Portugal, que geralmente têm um clima mais ameno, são afetados pela depressão Filomena

Que o inverno é bastante rigoroso em Portugal, todo mundo sabe. Mas, desta vez, o frio tem batido recordes negativos como há tempos não era registrado. O panorama meteorológico, apesar do frio colossal que tem sido notícia devido às temperaturas mínimas extremas, com vários territórios a registrar valores abaixo dos 0 ºC, tem sido caracterizado pela presença do sol ou de céu pouco nublado, o que piora a sensação de frio. Quando chove, o frio se faz menos presente. 

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

O ano de 2021 estreou com um cenário térmico semelhante a uma vaga de frio, devido à persistência e à magnitude de valores de temperatura bem abaixo da média para o período de referência e, segundo os mapas de previsão, parece que esta situação meteorológica está longe de terminar.

Em Espanha, os termômetros bateram recordes negativos esta semana devido à passagem da depressão Filomena, que assola o país enquanto se dirige a Portugal. Na manhã de quarta-feira, dia 6, na estação não oficial de Clot del Tuc la Llança, no município de Alto Aneu, na Catalunha, os termômetros marcaram -34,1ºC, o valor mais baixo já registrado em Portugal e Espanha, contou o jornal La Vanguardia. 

De acordo com a publicação, o recorde anterior era de -32ºC e tinha sido registrado há mais de 60 anos, em 1956. Os -34ºC foram registrados a mais de 2.300 metros de altitude. 

Para se ter uma ideia do frio que faz, até a Ilha da Madeira e a região Sul de Portugal, que geralmente têm um clima mais ameno, são afetados pela depressão Filomena, com vento forte, chuva, agitação marítima e possibilidade de queda de neve, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). E as mesmas baixas pressões que afetam fortemente o arquipélago da Madeira, associadas à depressão Filomena, resultam em precipitação, sob a forma de neve, deixando alguns flocos de neve no centro e no sul de Portugal continental neste final de semana. 

Em simultâneo, as regiões de Trás-os-Montes, Alto Douro e Beira Interior somarão alguma precipitação, que, por causa do ar gélido oriundo de norte, será sob a forma de neve, a partir de hoje. A queda de neve poderá ser muito forte até amanhã, com acumulações de neve acima dos 700 metros de altitude.

E o que fazer para se aquecer? Em Portugal, as casas não costumam ter isolamento térmico. É frio no inverno e quente no verão. Então a tendência é utilizar os aquecedores, que são ligados à eletricidade, e o resultado disso é um aumento considerável na conta de luz, segundo dados do Eurostat (Direção-Geral de Estatística da Educação e Ciência). 

Portugal é o oitavo país mais caro da Europa em preços de eletricidade. A culpa é dos impostos. O país luso é o quarto país da União Europeia com mais tributos sobre a eletricidade. Os impostos quitados pelos portugueses em suas contas de luz correspondem a 46% do valor pago. Acima de Portugal, estão apenas Dinamarca (66%), Alemanha (53%) e Finlândia (47%). 

E como se isso já não fosse o suficiente, o país bateu, na quarta-feira, seu recorde de casos de infecção por covid-19 desde o começo a pandemia. A nação superou a marca dos 10 mil casos positivos em 24 horas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS). E chegou perto de bater o recorde no número de mortes diárias – foram 91 nessas 24 horas. O recorde até aqui foi de 98 mortes em um único dia. As coisas não estão nada fáceis para os portugueses.

Tudo sobre: