Conexão Portugal: Brasil e Portugal chegam a acordo sobre repatriamento

O voo será operado amanhã pela TAP, que andou vendendo passagens pelo triplo do valor praticado normalmente

Após muitas reclamações de brasileiros retidos em Portugal e de portugueses retidos no Brasil, devido às restrições impostas pelo governo lusitano em relação às medidas contra a pandemia da covid-19, os dois países entraram em um acordo para a organização de voos de repatriamento entre as duas nações. De acordo com as informações do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), o voo será operado amanhã pela companhia TAP, que andou vendendo passagens pelo triplo do valor praticado normalmente. A transportadora aérea irá contactar os passageiros que já têm passagem comprada e tiveram seus vosso cancelados, para organizar o regresso destas pessoas.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Em Portugal, muitos brasileiros que tinham negócios no país acabaram por falir. E tantos outros, que vieram tentar a sorte no país coirmão, também acabaram por regressar devido ao desemprego desencadeado pela pandemia e pelos isolamentos impostos pelo governo de Portugal. Mesmo com uma queda bem acentuada de novos casos e internamentos na última semana, os confinamentos devem durar pelo menos até final de março, começo de abril.

Só nesta última semana, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou no Parlamento que já tinham sido recebidos “pedidos de 70 portugueses que se encontram no Brasil” e que, “por razões de saúde, necessitam de regressar a Portugal”. A fim de justificar a decisão do voo de repatriamento, o ministro acrescentou, ainda, que estavam a identificar muitos casos de pessoas que precisam desta ajuda com urgência, nomeadamente pessoas que foram de férias sem perceber a gravidade da situação epidemiológica, pessoas que não têm recursos financeiros ou que estão a passar por dificuldades de natureza familiar. De acordo com Santos Silva, “estas pessoas cabem numa definição lata e humanista daquilo que são razões humanitárias”. 

Em 27 de janeiro, o Governo suspendeu os voos de e para o Brasil até o dia 14 de fevereiro, por causa da nova variante brasileira da covid-19. Tal medida deve valer até, pelo menos, 1 de março, podendo ainda manter-se depois dessa data. O MNE recorda que, ao abrigo da legislação em vigor (Despacho nº 1689-C/2021, de 12 de fevereiro), os passageiros que regressem no âmbito do voo humanitário têm de apresentar o comprovativo de teste de rastreio à covid-19, com resultado negativo, feito nas 72 horas antes do embarque (a exceção são as crianças até os dois anos), e cumprir uma quarentena de 14 dias após aterrar em Portugal. 

No país, a vacinação anda a passos muito lentos. Em média, apenas mil pessoas são vacinadas por semana. Nem a população mais idosa do país começou ainda a ser vacinada. A desculpa do governo é a falta de vacinas no mercado para compra. 

Nesta última semana, os novos casos da covid-19 caíram bruscamente, assim como o número de doentes internados. Até o fechamento desta coluna, o número total de casos no país era de 800.586 casos positivos, sendo 1.480 infecções nas últimas 24 horas. Destes, 75.396 continuam ativos, 709.054 pessoas conseguiram se recuperar da doença e 16.136 pessoas vieram a óbito, sendo 50 nas últimas 24 horas. Completando as informações sobre a doença no país, 720.717 pessoas já foram vacinadas.

 

Tudo sobre: