EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

15 de Dezembro de 2019

Conexão Noruega: Típico norueguês

Nesta edição da coluna, Joyce Castro fala sobre o comportamento dos habitantes que priorizam a privacidade e os desafios de uma estrangeira para se acostumar

Assim que mudei para a Noruega, ouvia frequentemente a seguinte frase: det er typisk norsk (“isso é típico norueguês”). Ainda no início do curso para aprender o idioma, lembro que os livros destacavam o estrangeiro e seus desafios para se tornar parte desta sociedade. Estudei numa escola voltada a imigrantes adultos e a integração era assunto abordado com a mesma importância que a gramática.

Precisamos dominar o idioma para trabalhar e para se comunicar melhor com os nativos, mas conhecer os costumes também faz parte do pacote. Afinal, quando decidimos morar em outro país, devemos vivenciar a cultura e os valores daquele povo. Eu me acostumei rapidamente com algumas coisas; já outras, nem tanto. Mas, então, o que é realmente o typisk norsk? Hoje vou falar sobre algumas situações.

Por aqui, a pausa para almoço dura apenas 30 minutos. As pessoas levam marmita com um lanche frio para o trabalho. No horário da pausa, todos sentam juntos na sala de reunião para comer e conversar. O pessoal leva pão para montar com os mais diferentes recheios: patê de fígado, banana (sim, muitos comem pão com banana no almoço), abacate, salame. Algumas empresas contam com cantina e há a possibilidade de pedir algo quente, como uma sopa.

Falando sobre comida, faz parte da cultura degustar o brunost, um queijo marrom norueguês, que não tem aparência e muito menos gosto de queijo. Difícil descrever o sabor. Também amam comer salmão defumado e camarão cozido e frio com maionese. Os noruegueses costumam agradecer pela comida após a refeição. As crianças também pedem permissão para sair da mesa após o jantar.

Geralmente não conversam com quem não conhecem. Ninguém dá “bom dia” no ponto de ônibus, por exemplo. Por outro lado, ninguém vai ouvir perguntas sobre planos para ter filhos ou outro assunto particular. O respeito à privacidade é sagrado.

Fazer planos para as férias de inverno, de Páscoa ou de outono, incluindo a discussão da previsão do tempo, também entra na categoria típico norueguês. Geralmente nessas folgas, eles seguem para as cabanas nas montanhas, conhecidas como . Lugar perfeito para relaxar e esquiar. E por falar em esqui, há um ditado popular que diz que norueguês nasceu com esquis nos pés. E faz todo sentido, já que muitos usam o equipamento com rodinhas quando não tem neve por aqui. Assim podem esquiar de janeiro a janeiro.

Ah, os noruegueses são muito silenciosos. Você pode até receber um olhar de reprovação no ônibus, por exemplo, se estiver falando um pouco mais alto ao telefone. Nos trens, há até um vagão especial para quem quer ficar distante de ruídos. Ou seja, nada de conversar ou atender o telefone se for sentar ali.

Outra regra fundamental de convivência rege os possíveis e indesejáveis atrasos. Mesmo que você chegue ‘apenas’ cinco minutos depois do horário marcado, avise! Ao convidar um norueguês para jantarem sua casa, saiba que ouvirá a campainha tocar exatamente no horário combinado.

Tirar os sapatos ao chegar na casa de alguém também faz parte do costume norueguês. As visitas sempre ficam de meias na casa do anfitrião. Já nas escolas, as crianças têm o sapato de fora e o sapato de dentro. Os pais devem usar um protetor nos calçados ao buscarem os filhos na creche. E esse é um dos costumes que mais aprecio.

Tudo sobre: