EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

24 de Fevereiro de 2020

Conexão Noruega: No ritmo dos pinguins

Colunista Joyce Castro explica como é o inverno no país norueguês

Após várias semanas de tempo chuvoso, os noticiários informam que o inverno está prestes a se espalhar por toda a Noruega. Nada parece mais aconchegante do que colocar um pijama e sentar pertinho da janela, com um copo de chocolate quente nas mãos, para ver a paisagem mudar de cor. O que até pouco tempo atrás era amarelo, agora está coberto de neve. Uma autêntica cena de filme de Natal.

Mas nem tudo são flores, ou melhor, flocos de neve. No meu quarto inverno na Noruega, eu preciso dizer que tudo é realmente lindo quando olhamos pela janela, como se o lado de fora fosse um gigante globo de neve. O problema ocorre quando precisamos sair de casa.

A estação normalmente começa com uma nevada e, dias depois, a  temperatura sobe um pouco e a neve se transforma em uma bela camada de gelo sobre o chão. Seria o local perfeito para patinar, mas não para sair atrasado para ir ao trabalho, por exemplo.

Esqueçam saltos altos, sapatos sociais e tênis. Chegou a hora de acordar cinco minutos mais cedo e ter tempo de sobra para colocar casaco, cachecol, touca, luva, refletores, botas impermeáveis e protetores antiderrapantes para os calçados. Se tiver filhos que precisam de ajuda para se vestir antes de sair, reserve mais dez minutos.

Chegou então a hora de sair de casa e mostrar suas habilidades como bailarino ou como um pinguim. Uma das coisas que eu ainda não peguei o jeito é andar como uma ave no inverno, mantendo a gravidade do corpo sobre a perna dianteira e com o tronco levemente inclinado para a frente.

No começo, eu me recusava a andar de tal forma e o resultado foi uma série de quedas, com direto à plateia e até uma carona para ir ao hospital fazer uma radiografia. Não cheguei a ter nenhuma fratura, mas fiquei meses sem conseguir esticar o braço direito.

É verdade que a maioria dos noruegueses andam “normalmente”, mesmo quando o chão está bem escorregadio, mas isso são décadas de experiência. Eu tenho no meu currículo apenas a habilidade de correr na areia quente da praia sem chinelo. E aqui o mais importante é ter calma, principalmente nas ladeiras.

A preocupação com esse tipo de acidente levou a Embaixada do Brasil em Oslo a elaborar uma cartilha informativa sobre o inverno na Noruega. O texto conta com dicas sobre tipos de roupa para esta época do ano, macetes sobre como andar no gelo e onde comprar as “garras” para os calçados. Eu odiava sair com esse acessório e vou explicar o motivo. Sabe quando precisamos sair de casa com um guarda-chuva e nunca temos onde guardá-lo?

Agora imagina ter de carregar touca, luvas e ainda lembrar de uma sacola para guardar os protetores cobertos de neve. Mas, segurança em primeiro lugar, sempre! Principalmente para quem está aqui a passeio para esquiar ou contemplar a aurora boreal.

Ande devagar como um pinguim, use refletores como uma árvore de Natal e sorria para a neve caindo como uma criança faz. Afinal, apesar dos dias serem mais curtos, é uma das temporadas mais divertidas para praticar atividades ao ar livre e aprender sobre o significado da palavra kos(aconchego). A hora boa mesmo é quando a gente volta para casa e acende muitas velas para curtir o friozinho com a família.

Sobre a autora

A jornalista e fotógrafa Joyce Castro escreve na coluna quinzenalmente.

Tudo sobre: