EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

18 de Março de 2019

Caixas-pretas de avião que caiu na Etiópia serão enviadas à Europa para análise

Acidente que matou 157 pessoas de 35 nacionalidades é o segundo em menos de seis meses envolvendo um Boeing 737 Max 8

As caixas-pretas do Boeing 737 Max 8 que caiu no domingo (10), na Etiópia, serão enviadas para a Europa para análise. Enquanto isso, a lista de países e companhias aéreas que proibiram voos deste novo modelo da fabricante americana aumenta a cada dia.

O acidente, que matou 157 pessoas de 35 nacionalidades, é o segundo em menos de seis meses envolvendo um Boeing 737 Max 8. Em circunstâncias semelhantes, um avião do mesmo tipo da empresa Lion Air caiu na costa da Indonésia, matando 189 pessoas.

Na Etiópia, parentes das vítimas - quenianas, chinesas, americanas ou canadenses - foram levados até o local do acidente, em um campo 60 quilômetros ao Leste da capital etíope. A Etiópia não possui o equipamento necessário para as caixas-pretas.

Em entrevista ao canal americano CNN na terça-feira (12) à noite, o CEO da Ethiopian Airlines, Tewolde Gebremariam, argumentou que as semelhanças entre as duas catástrofes aéreas são “significativas”, assegurando que os pilotos que estavam no controle da aeronave da Ethiopian Airlines receberam treinamento específico para o 737 Max 8 após a queda da aeronave da Lion Air.