EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

13 de Dezembro de 2018

Após onda de protestos, França recua sobre aumento de combustíveis

O presidente Emmanuel Macron vai suspender a alta de impostos sobre combustíveis, que entraria em vigor em 1º de janeiro, para tentar frear as manifestações contra o seu governo

O governo da França prepara para hoje (4) o anúncio de suspensão do novo aumento dos impostos sobre os combustíveis a partir de janeiro, que foi a primeira das reivindicações dos coletes amarelos, cujos protestos levaram a uma crise social sem precedentes. 

Há informações não oficiais que indicam que o primeiro-ministro, Édouard Philippe, o responsável por comunicar "uma moratória" sobre este aumento fiscal, terá reunião hoje sobre o tema na Assembleia Nacional, o equivalente ao Congresso Nacional.

Philippe também apresentará outras medidas para tentar acalmar os ânimos dos manifestantes, que, no último sábado (1), protagonizaram protestos violentos em Paris.

Por três fins de semana, os coletes amarelos promoveram manifestações que eclodiram há quatro dias.

Os manifestantes reivindicam a suspensão do aumento de impostos sobre os combustíveis, reajuste do salário mínimo e a renúncia do presidente da França, Emmanuel Macron.

De acordo com a imprensa francesa, Macron chegou a pensar em declarar estado de emergência no país diante da gravidade dos protestos. Pelo menos 375 pessoas foram detidas.

*Com informações da agência EFE