Escola de Santos é campeã do Ideb em São Paulo

Escola Professor Suetônio Bittencourt Júnior, no Estuário, é a melhor no Ensino Fundamental

A escola Professor Suetônio Bittencourt Júnior, no Estuário, em Santos, obteve o melhor resultado do Estado entre colégios da rede estadual, em anos finais do Ensino Fundamental, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2019. O índice foi divulgado na última terça-feira pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). 

Assine o Portal A Tribuna agora mesmo e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos

Em 2007, quando começou a participar das provas, a instituição obteve 5,44. A partir daí, a nota do colégio só vem subindo, atingindo 7,2 em 2019. 

A melhora está sendo construída degrau a degrau, dentro e fora da sala de aula: também é levado em conta o crescimento psicossocial de cada aluno, explica a diretora da unidade, Elizabeth Gonçalves Marques, 55 anos.

“Temos um projeto político-pedagógico voltado em um binômio: que é excelência acadêmica e inteligência emocional. Tudo é construído como se fosse uma grande orquestra e os professores colaboram muito nesse processo”.

Na unidade há incentivo também à participação e engajamento dos estudantes em várias atividades. Assim, são estimulados a ser os protagonistas.

“Um diferencial muito bacana são as frentes de lideranças que criamos. Temos o grêmio estudantil, clube juvenil, os líderes de turma e também os líderes de todo o espaço escolar. Eles cuidam e coordenam esses locais”.

A coordenadora Cynthia Helena Fuschini Feliz, 43 anos, informa ainda que todo o conteúdo é aplicado de forma interdisciplinar, o que também facilita o aprendizado. 

“Nós agregamos saberes. Por exemplo, onde posso trabalhar na aula de português textos que tenham tabelas e percentuais? Então, eles têm uma visão integral do conhecimento”. 

Tempo integral

Um dos diferenciais para o resultado no Ideb também está relacionado ao trabalho em tempo integral, destaca o subsecretário de Articulação Regional da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Henrique Pimentel Filho.

“Isso faz muita diferença. A gente vê no resultado do Estado como um todo. No Ensino Médio, as dez melhores escolas eram de tempo integral. Nos anos finais do Ensino Fundamental, de dez, nove eram tempo integral, e até nos anos iniciais, em que temos poucas, as que se destacaram também eram de tempo integral”.

Há, ainda, outros ingredientes para o resultado da escola, que não só conseguiu atingir uma nota superior, como também ultrapassou a projeção esperada para o Município, que era de 5,5 em 2019.

“Os alunos procuram essa escola porque ela tem bons indicadores, oferece atendimento diferenciado, os professores têm dedicação exclusiva. Então, a criação de vínculo com as crianças é mais forte. Nas escolas de tempo integral, há várias atividades que ajudam os alunos no pertencimento dele à unidade e isso faz toda a diferença”, diz Cynthia. 

Tudo sobre: