Aulas são suspensas em escolas da região por conta de temporal

Unidades de ensino sofreram com os alagamentos que atingiram toda a Baixada Santista

As unidades municipais de ensino suspenderam as aulas nesta terça-feira (3) em várias cidades da Baixada Santista devido aos estragos causados pela forte chuva que atinge toda a região. A rede estadual de ensino informou que 67 escolas da Baixada Santista tiveram as aulas suspensas. 

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) informa que as atividades serão retomadas assim que a situação das chuvas se normalize. Os problemas decorrentes do temporal estão sendo monitorados pelas Diretorias Regionais de Ensino, em conjunto com as respectivas escolas levando em conta todas as orientações dos órgãos responsáveis.

O Estado ainda informa que equipes de técnicos da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) serão encaminhadas às unidades prejudicadas para avaliar danos e providenciar reparos de emergência, com o início dos serviços previstos após o cessar das chuvas.

O conteúdo pedagógico das escolas estaduais que ficaram sem aula será reposto e não serão realizadas atividades de avaliação, introdução de novas habilidades ou qualquer atividade relevante que venha a prejudicar aqueles que não tenham conseguido chegar às escolas, segundo a Seduc-SP.

Santos

Em Santos, várias unidades de ensino municipais encontram-se sem condições de acesso, principalmente nos morros. As escolas que estão com as aulas suspensas, até o presente momento, em função da dificuldade de acesso, são as UMES: Cyro de Athayde, morro Nova Cintra; Martins Fontes, morro da Penha; Samuel Leão de Moura, Areia Branca; Maria Luiza S. Ribeiro, Saboó; Hilda Rabaça, Chico de Paula; Nelson Toledo Piza, Saboó; Antônio Passos Sobrinho, Macuco; Maria Patrícia, Valongo; Oswaldo Justo, Chico de Paula; Noel Gomes Ferreira, Caruara; Judoca Ricardo Sampaio, Caruara, e Leonardo Nunes, Castelo.

A exceção é a UME Terezinha Calçada Bastos, no Morro São Bento, que está funcionando como ponto de acolhida para desabrigados.

A prefeitura ressalta que em algumas escolas, em outros pontos da cidade - entre elas, a UME Martins Fontes - os pais estão deixando seus filhos em razão do receio de ficar em casa, por causa do risco de deslizamentos. No momento, os supervisores, juntamente com a direção das escolas, estão analisando as condições de funcionamento das unidades.

São Vicente

Não houve suspensão de aulas na rede municipal de São Vicente.

Guarujá

Em Guarujá, as aulas da rede municipal foram suspensas após a cidade declarar estado de calamidade pública e ponto facultativo. As escolas da cidade estão abertas para o recebimento de doações. Já as unidades próximas aos morros atingidos estão acolhendo as famílias desabrigadas, entre elas as escolas Sérgio Pereira (Av. Atlântica, 1516 - Barreira do João Guarda), Creche Conveniada Tio João (Vila Baiana) e Escola Paulo Freire (Av. Tancredo neves, s/nº- Santa Clara)

Além disso, o complexo de escolas ao lado do Teatro Procópio Ferreira servirá de alojamento para os desabrigados.  Escola Municipal Dirce Valério (Av. Dom Pedro I, 340 - Jardim Tejereba, Escola Municipal Almeida Júnior (Av, R. Marivaldo Fernandes, s/nº ), Escola Municipal Madalena Cardoso (Av. Dom Pedro I, 340 - Jardim Tejereba).

Na Escola Dirce Valério, voluntários estão ajudando a acolher as vítimas bem como, organizar os donativos. No local, há uma equipe de médicos da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) e funcionários da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social de Guarujá.

Cubatão

Cubatão informa que nesta terça-feira (3) não haverá aulas durante todo o dia e à noite nas 55 escolas da rede pública, incluindo as atividades administrativas, por conta das fortes chuvas que atingiram a cidade. A Seduc está fazendo um levantamento para saber os estragos causados pelas chuvas nos próprios municipais.

Ainda segundo a Seduc, o evento de entrega do monitoramento de segurança das escolas, marcado para hoje às 10h na UME Bernardo José Maria de Lorena, também foi adiado. Uma nova data será marcada. 

Mongaguá 

Mongaguá suspendeu as aulas desta terça-feira (3) e as creches funcionam em sistema de extrema necessidade. As atividades das oficinas culturais e escolinhas de esportes também estão suspensas nesta terça.

Itanhaém

As aulas foram suspensas em parte da rede municipal de Ensino de Itanhaém por problemas de acessos às escolas. No total, 26 unidades estão sem funcionar nesta manhã. A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes está avaliando caso a caso para determinar se a paralisação continuará no período da tarde. As chuvas não causaram danos graves nas unidades.

As escolas que tiveram as aulas suspensas são: José Teixeira Rosas, Maria da Conceição Luz, Maria da Penha Correa Sanches, Carlos Augusto Guimarães da Silva, Bernardino de Souza Pereira, Lídia Martha Ferriello Gianotti, Maria Graciette Dias, Noêmia Salles Padovan, Elga Reis, Célia Marina Dal Pozzo Borges, Diva do Carmo Alves de Lima, Maria Cristina de Macedo Gomes, Pedrina Pompeu Bastos, Leonor Mendes de Barros, Silvia Regina Schiavon Marasca, Lions Clube, Maria Patrocina Condota, Gioconda Fagá, Shirley Mariano Estriga, Eugênia Pitta Rangel Veloso, Edson Baptista de Andrade, Harry Forssell, Ignez Martins, Luiz Gonzaga Silva Fonseca, Tia Pombinha e Maria Aparecida Soares Amêndola.

Peruíbe

A Prefeitura de Peruíbe informou que as aulas foram suspensas na EMEF Profa Liliam Neri de Souza por conta de um ponto de alagamento na entrada da escola. A EMEIF Barra do Una também está sem aulas por conta de problemas na estrada que dá acesso à unidade.

Tudo sobre: