EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

9 de Dezembro de 2019

AT Carreiras: Curso de Fotografia é alternativa para quem busca rápida inserção no mercado

O curso de graduação dura apenas dois anos e fornece todas as disciplinas necessárias para o estudante se lançar no mercado.

Para ser um fotógrafo profissional, não basta apenas dominar as técnicas das câmeras mais sofisticadas do mercado. É preciso ter um olhar diferenciado, saber lidar com as pessoas, entender de iluminação e enquadramento, estar sempre antenado e trabalhar o lado empreendedor. Essas características são adquiridas durante a formação do estudante e com muita experiência.

A Universidade Paulista (Unip) de Santos oferece o curso de Fotografia, com graduação em dois anos. A curta duração é um grande atrativo, uma vez que o aluno se torna um profissional em menos tempo. Dessa forma, o processo de formação é mais acelerado, mais prático e mais interessante. É uma ótima alternativa para quem busca uma rápida inserção no mercado de trabalho. 

Fotografia

Para o coordenador do curso de Fotografia da Unip, Matheus Tagé Verissimo Ribeiro, a área da fotografia está em alta e o mercado segue em movimento. Ele revela que o curso é muito procurado por jovens, pessoas mais velhas e até mesmo por fotógrafos amadores, que estão em busca de uma especialização. Além disso, explica que a Fotografia ocupa um grande espaço chamado de Economia Criativa, movimento que está em expansão com as redes sociais.

"O profissional da fotografia está apto para atuar no planejamento, produção e pós-produção de imagens. O diferencial está no fato de que vivemos em um contexto contemporâneo em que a proliferação de imagens é uma realidade. É preciso pensar nas imagens para produzir projetos em todas as áreas da fotografia, e não apenas reproduzir e repetir estéticas sem nenhuma base teórica ou conceitual”.

Alunos da Unip contam com estúdio de fotografia para treinar e fazer trabalhos (Foto: Alexandre Valdívia)

Quando se fala sobre decidir qual profissão seguir, o importante é fazer o que gosta. Essa é a opinião da especialista em Recursos Humanos do Espaço Santista RH, Andréa Marques. Em relação ao mercado da Fotografia, ela explica que ele tem mudado muito nos últimos anos, mas que a imagem se popularizou com a ascensão das redes sociais. 

“Os estabelecimentos precisam de imagens de qualidade para alimentar suas redes sociais e divulgar seus negócios. Quem tiver as melhores fotos ganha uma atenção especial. Porém, as tecnologias nas câmeras de celulares fazem com que qualquer pessoa consiga tirar boas fotos. Então, o profissional tem que ter algo diferente, um olhar mais apurado e fazer mais do que uma pessoa comum pode fazer”, explica. 

De qualquer forma, a especialista garante que o mercado é promissor e a demanda aumenta a cada dia. Apesar da remuneração ter diminuído por conta da concorrência, o volume de trabalho vem crescendo bastante. Para se destacar, o profissional precisa assimilar outras técnicas, como fazer vídeos, saber editar, ser multimídia, entender de redes sociais e ser muito antenado. 

“Para ter sucesso, tem que se empenhar mais. Também é preciso ter o lado empreendedor, porque hoje são poucos os profissionais com carteira registrada. Tem que trabalhar esse lado empreendedor para conseguir mais serviços e uma maior remuneração. Ressalto que tem que gostar do que faz, ter amor pela profissão. Tem um leque de opções para trabalhar. A pessoa se adapta onde tem mais afinidade”. 

Um exemplo de amor pela profissão é da fotógrafa Camila Martínez, que aproveitou tanto seus anos de formação na Unip que, logo depois, retornou à Universidade como professora. Ela é apaixonada pelas áreas de fotografia científica, social, conceitual, documental e jornalística. Camila revela que a Unip abriu um leque de opções para que pudesse entender quais áreas gostaria de seguir e, assim, buscar especializações e trilhar seu caminho. Hoje, ela trabalha como diretora de fotografia de cinema no Instituto Querô.

"Essa foi minha terceira graduação. Trabalhei no Rio de Janeiro com artes cênicas, até que comecei a perceber que o mundo atrás das câmeras era muito mais legal. Passei a gostar da questão da imagem e entendi o que queria profissionalmente. Fui na cara e na coragem fazer o curso de fotografia, estava ganhando corpo ainda e quase desisti. Mas, um dos meus professores disse que eu tinha potencial e me chamou para trabalhar na exposição do Centenário do Santos. A Unip tem suma importância na minha vida como estudante e educadora. Tenho orgulho de fazer parte desse time".  

A ex-aluna e professora Camila Martínez se destaca com fotos incríveis (Foto: Camila Martínez)

Ficha Técnica:

Duração: 4 semestres (2 anos)

Tipo: Tecnológico 

Grade: Fotojornalismo, Foto Publicitária, Foto Científica, Foto Cultural, Produção Fotográfica, Técnicas de Iluminação, Empreendedorismo, Registro Visual e Sonoro.

Atividades práticas: exposições fotográficas, uma situação de grande aprendizado para os alunos que têm seus trabalhos observados por pessoas desconhecidas. Há ainda saídas fotográficas e atividades envolvendo fotografia de rua, de arquitetura e editorial de moda. 

Infraestrutura: estúdio fotográfico, laboratório de edição de imagens e um antigo laboratório de revelação (já desativado) que funciona para mostrar as origens da fotografia.

Materiais: basicamente nenhum, já que o estúdio fornece câmeras fotográficas para os trabalhos práticos.

Estágio: não é obrigatório. As principais áreas em que os alunos se inserem são: agências de comunicação, estúdios fotográficos e cobertura de eventos.

Perfil: gostar de ler, de ver filmes, ter capacidade estética e ter vontade de aprender e conhecer.

Salário: varia de acordo com a área da fotografia e com a quantidade de serviços prestados.

Especializações: a Fotografia está inserida na área de Comunicação e o aluno está apto a fazer Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado.

Educação Continuada: todo tipo de curso que possa complementar a formação. Existe uma gama muito ampla de cursos que variam desde de Foto Mobile até Fine art. E tudo isso está à disposição do fotógrafo.

Área de Atuação: cobertura de eventos sociais, newborn, moda, fotojornalismo, publicidade, área pericial e editoração. 

Principais funções: o profissional está habilitado a planejar, pensar e criar projetos fotográficos, também é apto para realizar, produzir, editar e executar projetos, atuar na curadoria de exposições e em pós-produção. Atuação ampla no âmbito da Imagem fotográfica e audiovisual.

Mercado de Trabalho: agências, assessorias, estúdios, revistas, sites, além de poder empreender e criar seu próprio espaço.

Universidade oferece todos os equipamentos necessários para os estudantes (Foto: Alexandre Valdívia)

 

Tudo sobre: