EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Reciclar é vital, mas nem tudo pode; saiba o que deve ou não ser separado

Saiba o que deve ou não ser separado

O metal daquela latinha de refrigerante que você consumiu no fim de semana, caso descartada irregularmente na natureza, pode levar mais de 100 anos para se decompor. Por isso, é fundamental encaminhá-la para reciclagem. Mas você sabia que a lata de tinta não pode ter o mesmo destino? Tão importante quanto se conscientizar da necessidade de separar o lixo de casa é diferenciar o que pode ser reciclado ou não. 

No caso do plástico, por exemplo, as embalagens de shampoo, detergente e as garrafas pet devem ser encaminhadas para a reciclagem, assim como o plástico de canetas esferográficas e baldes. Por outro lado, plástico tipo celofane e algumas embalagens metalizadas, como as de salgadinho, não podem. 

Segundo o Instituto Gea, dedicado a projetos socioambientais, é preciso atenção na hora de separar o plástico. Esse material é proveniente de resinas, geralmente sintéticas, e derivados do petróleo. 

A reciclagem é dificultada pela existência de inúmeros tipos diferentes de resinas plásticas que são incompatíveis entre si e não podem ser misturadas no processo. Isso porque podem perder suas qualidades de flexibilidade, resistência ou transparência. 

Por esse motivo, os recicladores de plásticos utilizam-se quase que exclusivamente de matéria-prima advinda de resíduos industriais, pois esse tipo é normalmente constituído por uma só resina e não apresenta sujeira ou contaminação. 

Sutileza com papéis

No caso dos papéis, há aqueles recobertos com outro tipo de material, como o plástico ou alumínio. Esses, segundo o Gea, são de difícil reaproveitamento, portanto são também considerados não-recicláveis. 

“Um caso distinto, com relação a papéis em várias camadas, é o das embalagens cartonadas tipo longa vida, cujo material é formado por três tipos diferentes de matérias-primas (papel, alumínio e plástico). Sua reciclagem é possível, porém dificultada”, explica o Instituto. 

Também devem ficar longe do lixo limpo não só a lata de tinta, da qual se falou no início da matéria, como também as de aerossol ou que tenham servido a produtos inflamáveis ou tóxicos que podem provocar algum tipo de contaminação. 

O biólogo Carlos Perez afirma que é importante que as pessoas tenham conhecimento dessas informações. Isso, em sua opinião, é fundamental para fazer com que ações de coleta seletiva realmente funcionem. “Nós temos que exigir do Poder Público que realize a coleta, mas também precisamos fazer a nossa parte”, afirma. 

Cuidado com o planeta

Perez explica que reciclar é uma das formas que temos de cuidar do planeta. Ao separar o lixo de casa e dar o encaminhamento correto, estamos poupando recursos naturais e evitando, por exemplo, a contaminação dos solos ou o acúmulo de lixo nos mares que pode matar animais marinhos. 

Recipientes de comida devem ser higienizados

Além de separar, é importante também que recipientes de alimentos sejam limpos, para evitar a propagação de insetos ou outros animais. Para as caixas de papelão, dedique um tempo para desmontá-las. Objetos de metal, como as latas podem ser amassadas para assim facilitar o transporte. 

“No momento da compra é que você escolhe o quanto de resíduo vai gerar. O primeiro ato é ter o consumo consciente, além de escolher produtos em embalagens retornáveis ou que tenham menor quantidade possível de material a ser descartado. Quem faz o gerenciamento do lixo é o consumidor. Não adianta só atribuir ao órgão público ou à empresa de coleta”, afirma Antônio de Mello Neto, diretor de operações da Terracom. 

Tudo sobre: