EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

12 de Julho de 2020

Na estrada, cultivando os bons exemplos

Ecovias investe em boas práticas sociais

A Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, tem um histórico de ações de responsabilidade social bastante positivo, com direito a certificação internacional e premiação da Organização das Nações Unidas (ONU). Pode-se dizer que a companhia é um viveiro de boas práticas. 

“A empresa enxergou essa questão da sustentabilidade há muito tempo. Do conceito do ambientalmente correto, economicamente viável e socialmente justo, a Ecovias já tinha esses bons projetos. Hoje, temos ativos e funcionando 16 projetos. E mais um tentando construir para o pós-pandemia. Você percebe se a empresa está indo bem olhando para a sociedade à sua volta. É uma simbiose, as coisas acontecem ao mesmo tempo”, destaca Gerson Silva, coordenador de Sustentabilidade da concessionária. 

Um dos marcos desta política de ação responsável da Ecovias está no Viveiro de Mudas da empresa, que emprega mais de 30 profissionais que desenvolvem autonomia, confiança, autoestima e independência financeira. Em 2018, o Viveiro de Mudas foi reconhecido, mundialmente, durante a segunda edição do prêmio “Boas práticas de empregabilidade para trabalhadores com deficiência”, promovido pela Missão Permanente do Brasil junto à Organização das Nações Unidas (ONU).

“Precisávamos das melhores pessoas para tocar um viveiro de mudas. Nessa discussão, há 14, 15 anos pensou-se a forma de fazer isso, sendo o mais profissional, o mais técnico possível, o melhor resultado e com inclusão social. E a empresa teve a sacada de colocar, lá atrás, pessoas com deficiência intelectual para fazer a gestão desse viveiro. Com a parceria com a Apae, quebrou-se um paradigma. Teve até um casamento de dois participantes, feito no próprio local”, explica Silva. 

Ele acredita que o sucesso da empreitada se deve à forma como estes profissionais foram integrados à companhia. “Esse foi nosso segredo: eles não deveriam se adaptar à empresa, mas nós a eles, para poderem desenvolver todo o potencial. Batem ponto, são cobrados como outros funcionários. E é isso que eles querem: respeito. Não é só convidá-los para o baile, mas chamá-los para dançar”, resume. 

Ganho de imagem

Gerson Silva reconhece o impacto positivo das iniciativas da empresa em sua imagem. “Todas as ações de responsabilidade socioambiental refletem como uma marca positiva para a empresa. Desde 2011, estamos na Bolsa de Valores com o ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial), que demonstra todas as suas ações voltadas para questão social, ambiental e até de resultados financeiros para se manter um negócio sustentável”, conta. 

A Ecovias já pensa no que poderá fazer no pós-pandemia. “Pensamos, para o pós-pandemia, em alguma coisa ligada ao empreendedorismo, na erradicação da pobreza. Tudo isso é uma construção”, antecipa o coordenador de Sustentabilidade da empresa. 

Tudo sobre: