A Região em Pauta discute os impactos do tratamento de água e esgoto no dia a dia da população

Primeiro encontro do projeto em 2020 aconteceu nesta segunda-feira (2), no auditório do Grupo Tribuna

Água, Saneamento e Saúde foram os assuntos discutidos no primeiro encontro A Região em Pauta deste ano, promovido por A Tribuna na tarde desta segunda-feira (2), no auditório do Grupo Tribuna, em Santos. O tema escolhido tem em vista o Dia Mundial da Água, comemorado no próximo dia 22. 

O primeiro painel da tarde teve a participação do presidente do Instituto Trata Brasil, Edson Carlos, e do biólogo e pesquisador da Unifesp nas áreas de Ecologia e Ciências do Mar Ronaldo Christofoletti. A mediação foi do jornalista Dal Marcondes. Os três deram ênfase aos principais impactos da falta de saneamento básico no dia a dia da população, entre eles, o surgimento de doenças crônicas, além de dados regionais e nacionais.

>> Clique aqui e faça o download da apresentação do Instituto Trata Brasil

Edson Carlos explicou que cerca de 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada, conforme dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis), do Governo Federal, relativos a 2018. Isto mostra que, apesar de o Brasil estar entre as dez maiores economias do mundo, não conseguiu universalizar o acesso ao saneamento básico. 

Quanto à coleta de esgoto, a situação mostra-se ainda mais precária, pois 47% da população brasileira não têm o serviço, também de acordo com o Snis. Um dos reflexos disso são as 233 mil internações feitas, somente em 2018, por doenças de transmissão hídrica. Para Carlos, isso caracteriza a falta de saneamento básico como um problema de saúde pública. E as mais afetadas são as crianças de até 5 anos.

“Nós não seremos um país desenvolvido enquanto comprometermos a saúde de nossas crianças por falta de saneamento básico”, complementa Marcondes, que ressaltou que as crianças vítimas passam a ter sequelas que, muitas vezes, comprometerão seu rendimento e serão "carregadas por gerações”.

Olhar regional

Christofoletti ressaltou que a Baixada Santista tem potencial para ser um modelo nessa questão, mas falta um trabalho integrado do Poder Público para elevar o alcance do tratamento de água e esgoto.

"Apesar de Santos ter 99% de seu esgoto tratados, ao contabilizarmos todas as cidades da região, esse índice cai para cerca de 60%, o que é bem abaixo da média do Estado de São Paulo, que hoje está em 89% de coleta de esgoto".

Outro problema regional destacado no primeiro painel do dia foram as áreas irregulares. O presidente do Instituto Trata Brasil apontou que, só em Guarujá, 49,4% da população estão em áreas do tipo. Em São Vicente, o índice também chama atenção, chegando a 30,5%. "Isso dificulta ainda mais a melhoria do serviço".

O evento

Para este ano, estão previstos dez encontros de A Região é Pauta, um recorde em comparação aos 30 encontros realizados ao longo dos cinco anos de existência do projeto, que aborda temas de interesse da comunidade regional.

A Região em Pauta é uma realização de A Tribuna que tem patrocínio do Grupo Mendes, Ecovias, Sobloco e Plano Santa Casa Saúde.

Tudo sobre: