São Paulo tenta prêmio de consolação na despedida da Libertadores diante do Binacional

Time paulista entra em campo pela fase de de grupos da competição já eliminado

Jamais em sua história o São Paulo poderia imaginar que um dia entraria em campo pela fase de grupos da Libertadores já eliminado. Tricampeão da América, o time jogará hoje, às 21h30, no Morumbi, em busca de um prêmio de consolação. Atuará para se vingar do Binacional e pela vaga na Copa Sul-Americana.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

O São Paulo poderia estar brigando pela classificação às oitavas de final nesta noite não fosse o único a perder pontos para o frágil time peruano. A derrota por 2 a 1, de virada, num jogo no qual podia golear, até hoje é cobrada no clube e causa pesadelos no técnico Fernando Diniz. 

Ter uma despedida honrosa é o mínimo que o São Paulo precisa fazer no Morumbi. Com 4 pontos no Grupo D, basta empatar com os peruanos, com 3, para ganhar o prêmio de consolação de entrar na Copa Sul-Americana. O terceiro colocado se garante na competição.

O São Paulo pode usar reservas. No domingo, o time decide vaga nas quartas de final da Copa do Brasil diante do Fortaleza. Após 3 a 3 fora de casa, terá de ganhar para avançar. É o título que falta ao clube e a prioridade no momento.

Mudanças

Fernando Diniz deve promover mudanças. Caso use mesmo a escalação alternativa, o equatoriano Arboleda voltará a ter oportunidade na defesa. Ele perdeu espaço no time e há um bom tempo não joga. Seria uma boa forma de observar qual será sua reação.
Há cinco jogos sem derrotas, o São Paulo vive sua melhor sequência no ano e vai tentar resgatar o bom aproveitamento ofensivo. 

Anulação

O São Paulo acionou o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para pedir a anulação da partida contra o Atlético-MG. Na partida, a equipe mineira venceu por 3 a 0, no Mineirão. O clube paulista argumenta que houve “erro de direito” na anulação do gol, via árbitro de vídeo (VAR), marcado por Luciano. Leonardo Gaciba, chefe dos árbitros da CBF, admitiu que a anulação foi equivocada.

Tudo sobre: