EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

11 de Julho de 2020

Maquiagem e desprezo do Barcelona foram armas de Zetti no título mundial em 1992

Herói também do título da Libertadores do São Paulo, goleiro ainda guarda na memória os momentos vividos por ele entre as traves

O torcedor do São Paulo vai poder rever lances inesquecíveis como o drible desconcertante de Muller no lateral Ferrer, os gols de Raí - um de barriga e outro em espetacular cobrança de falta -, e a "salvada" de Ronaldo Luís em cima da linha de gol, neste domingo, às 14h, na TV Bandeirantes, na conquista do primeiro título mundial do clube, em 1992, contra o Barcelona, em Tóquio, no Japão.

Mas o goleiro Zetti, herói também no título da Copa Libertadores, seis meses antes, ainda guarda na memória momentos vividos somente por ele entre as três traves do Estádio Nacional de Tóquio, naquele 13 de dezembro.

"Quando nós fomos treinar no dia anterior da final, eu notei que o sol prejudicava muito a visão no horário do jogo. No hotel, vendo o noticiário do futebol americano na televisão, vi que os jogadores usavam uma espécie de tinta abaixo dos olhos. Um intérprete me disse que era para ajudar contra o reflexo por causa do sol", lembrou o ex-goleiro, de 55 anos. "Não conseguimos encontrar o produto e eu acabei usando um lápis de olho, emprestado pela filha do Fernando Casal De Rey [diretor do São Paulo], que me ajudou muito durante o jogo. O Pintado também usou. Difícil foi tirar aquilo depois".

Um dos três goleiros na conquista do tetracampeonato mundial da seleção brasileira em 1994 (Taffarel e Gilmar foram os outros dois), Zetti ainda lembra com respeito do holandês Koeman, líbero do time catalão. "Ele era o cara que liderava o Barcelona Batia muito bem na bola e estudamos muito a sua forma de cobrar faltas. Ele teve uma chance, mas não aproveitou".

O goleiro também destacou a presença essencial do lateral-esquerdo Ronaldo Luís, que salvou uma bola em cima da linha no último lance da primeira etapa. "Ele foi o meu anjo da guarda. A bola estava entrando, mas ele conseguiu tirar".

Zetti contou que, além da oportunidade de faturar um título mundial inédito, os jogadores do São Paulo ganharam um incentivo a mais na véspera da decisão. "O pessoal do Barcelona não foi para a entrevista coletiva. Eles não conheciam a gente e nem queriam conhecer. Acharam que iriam chegar no Japão dois dias antes e levar a taça para casa".

Campeão europeu, o Barcelona tinha jogadores de destaque. Além de Koeman, o goleiro Zubizarreta, o zagueiro Guardiola (atual técnico do Manchester City) e os atacantes dinamarquês Laudrup e búlgaro Stoichkov, autor do gol espanhol. No banco, o lendário Johan Cruyff.

Taticamente, Zetti destacou o fato de o time do São Paulo não contar com um centroavante fixo. "O Palhinha armava as jogadas e o resto se revezava na frente. Cafu, Müller, Raí e até o Cerezo aparecia por ali. Era uma característica do Telê [Santana, técnico]. Ele gostava que se tivesse criatividade no ataque".

Tudo sobre: