EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

12 de Novembro de 2019

Torcida do Santos faz bandeira gigantesca para comemorar o aniversário de Pelé contra o Ceará

O Rei do Futebol irá completar 79 anos no próximo dia 23 e o presente será aberto na noite desta quinta-feira

O torcedor do Santos que comparecer à Vila Belmiro às 19h15 desta quinta-feira (17), para assistir ao jogo contra o Ceará, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, será testemunha de uma bonita homenagem da torcida Camisa 10 a Pelé, que no próximo dia 23 completa 79 anos. 

Fundada há dois anos para reverenciar o Santos e o maior jogador de todos os tempos, a torcida confeccionou, como presente de aniversário, um bandeirão de 25 metros de cumprimento por 12 de altura com a imagem do Rei de braços abertos e o nome da torcida. 

A bandeira será aberta durante a partida contra o Ceará, nas arquibancadas sobre os portões 7 e 8 da Vila Belmiro, pois esse é o último jogo do Peixe no Alçapão Alvinegro antes de Pelé comemorar aniversário.

Os integrantes da torcida Camisa 10 viraram a madrugada no ginásio (Foto: Irandy Ribas/A Tribuna)

Presidente da Camisa 10 e produtor de bandeiras para clubes, torcidas e entidades, Roberto Ramos dos Santos, conhecido como Beto Bandeiras, de 40 anos, explica que a sua idolatria por Pelé é tanta que uma das ideologias da torcida foi inspirada em um dos discursos do Rei do Futebol.

“A nossa torcida nasceu para fazer homenagens ao Pelé e ao Santos, porque no nosso entendimento os dois se misturam. Não dá para falar do Pelé sem o Santos e do Santos sem o Pelé. A nossa ideologia é trazer a família ao estádio e, assim como o discurso dele (Pelé) após o milésimo gol, dar atenção para as crianças”, revela Beto. 

“Muito se fala sobre o clube ter sócios. Porém, antes de a pessoa ser sócia ela precisa ser santista. Por isso, nos preocupamos tanto em ter crianças com a gente”, completa ele, que é pai de dois dos meninos que costumam assistir aos treinos do time de uma árvore no entorno do CT e recentemente fizeram uma bandeira para o técnico Jorge Sampaoli.

Pelé foi a inspiração para a criação da torcida Camisa 10 (Foto: Irandy Ribas/A Tribuna)

Ainda de acordo com Beto, a imagem estampada na bandeira é a reprodução de uma foto do dia em que Pelé, em 2 de outubro de 1974, fez a última partida com a camisa do Santos, diante da Ponte Preta, na Vila Belmiro.

“A imagem é uma alusão ao gesto que ele fez quando encerrou a carreira dele no Santos. A nossa ideia é fazer outras homenagens ao Pelé. A verdade é que ele tinha que ser homenageado todos os meses”, acrescenta o presidente da torcida, que atualmente conta com 80 integrantes. 

De Santos para o Mundo

O bandeirão em homenagem ao Rei do Futebol entrará no currículo de Beto para se juntar a outros trabalhos que ele já realizou para o próprio Santos, diferentes clubes e torcidas do Brasil, CBF e Conmebol. 

Um dos trabalhos mais marcantes desenvolvidos por ele foi a bandeira com o símbolo do Santos, com 100 metros de cumprimento por 70 de altura, que ocupa todo o gramado da Vila Belmiro. 

“Foram dez anos tentando fazer aquela bandeira. Eu precisava de parceiros por conta das despesas financeiras, e só em 2017 as coisas aconteceram. A Kappa, fornecedora de materiais esportivos do Santos na época, bancou a ideia e consegui confeccioná-la. Ela fica guardada na minha casa e costuma ser levada para os jogos decisivos ou clássicos, sempre que o clube solicita”, conta.

Essa é a maior bandeira oficial de clube do mundo (Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)

Uma outra ação que Beto recorda com orgulho foi a da final da  Libertadores do ano passado, entre Boca Juniors e River Plate. 

“Sempre quis fazer uma final de Libertadores, mas nunca era chamado. Quando aconteceu, em 2018, foi justamente naquela que é considerada a maior final de todos os tempos. Desenvolver tudo para um jogo desse tamanho e estar na Bombonera foi sensacional”, conta.

Beto foi o responsável pela ação das finais da Libertadores de 2018 (Arquivo pessoal/Beto Bandeiras)

Beto, que mora na subida do morro do Jabaquara, em Santos, também foi o responsável pelos pré-jogos das últimas três finais da Copa do Brasil e de partidas da Seleção Brasileira.

“Fiz jogos do Brasil contra o Uruguai, no Morumbi, em 2007, contra o Chile, no estádio Pituaçu, na Bahia, em 2009, e Argentina, no antigo Mineirão, todos pelas Eliminatórias da Copa de 2010. Além disso, em 2013, fiz os amistosos da Seleção contra a Inglaterra, na reinauguração do Maracanã, e a França, na Arena do Grêmio”.

Beto fez as ações das três últimas finais de Copa do Brasil (Foto: Arquivo pessoal/Beto Bandeiras)

Torcidas de times como Colo-Colo, do Chile, Tigres, do México, Athletico-PR e Cruzeiro também já recorreram ao talento de Beto, que sonha com um intercâmbio na Europa. 

“O maior camisão do Cruzeiro, que tem 45 metros de altura, fui eu que fiz. Agora quero fazer um intercâmbio na Europa. O meu sonho é conhecer os trabalhos realizados pela torcida do Borussia Dortmund, da Alemanha, e de alguns times do leste europeu. Lá existe muita competição entre as torcidas para ver quem faz a festa mais bonita com bandeirões e mosaicos. E, estando lá, adoraria fazer algo com esses torcedores”, finaliza.

 

Beto também prestou serviço para os torcedores do Coritiba (Foto: Arquivo pessoal/Beto Bandeiras)
Tudo sobre: