EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

6 de Dezembro de 2019

Santos abre investigação para apurar supostas ofensas racistas a jogadores do Ceará

Presidente José Carlos Peres fala em punir exemplarmente os responsáveis pelas palavras preconceituosas

As ofensas racistas e xenófobas supostamente proferidas por torcedores do Santos contra alguns jogadores do Ceará, durante a vitória do Peixe, por 2 a 1, na Vila Belmiro, na noite desta quinta-feira (17), agitaram os bastidores do clube. O presidente José Carlos Peres irá abrir uma sindicância para identificar e punir os responsáveis pelo crime. 

A diretoria santista não descarta levar o caso à esfera policial.

Ao fim do jogo, o meio-campista Thiago Galhardo, em entrevista ao Esporte Interativo, disse que torcedores do Santos xingaram o volante Fabinho de “negão” e mandaram os jogadores "voltarem para o Norte do Brasil", sendo que, além de preconceituosa, a afirmação está errada, pois o Ceará fica na região Nordeste do País. 

Diante do ocorrido, o Santos irá buscar detalhes em imagens da partida e do sistema de monitoramento do estádio para entender exatamente o que ocorreu. 

“Já montamos uma sindicância que irá ouvir as partes, caso a gente consiga identificar os autores. Vamos recuperar imagens. Se identificado, e for sócio do clube, o autor poderá ser punido exemplarmente”, disse Peres para A Tribuna On-line.  

“Aqui não aturamos qualquer tipo de ofensa”, acrescentou o mandatário. 

Depois da revelação feita por Thiago Galhardo, o Santos emitiu uma nota oficial condenando o episódio. 

“Qualquer ato de preconceito e xenofobia é absolutamente repugnante e inaceitável. Diante dos relatos passados por alguns veículos de comunicação, o clube está investigando e irá tomar as providências cabíveis frente a quaisquer casos dessa natureza.
O repúdio absoluto a atos de discriminação faz parte da identidade do Santos Futebol Clube”, diz o comunicado.

Tudo sobre: