EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Agosto de 2019

Santos 107 anos: um passado e um presente só de glórias

Peixe completa aniversário neste domingo (14). Quadro político da cidade era composto por algumas personalidades que viriam a fazer parte direta e indiretamente do clube

No dia 09 de abril de 1912 o jornal Diário de Santos publicou um anúncio com palavras que não tardariam a se cristalizar: “Vários sportsmen desta cidade estão empenhados em organizar um poderoso club de football”. A motivação se justificava: o futebol andava esquecido entre os jovens da cidade. “Era já sensível a falta, entre nós, de um bom clube dedicado ao bello sport do football. Acreditamos que o novo clube venha preencher essa lacuna”, destacava o anúncio.

O fato é que a comissão organizadora, formada por Mário Ferraz, Raymundo Marques e Argemiro de Souza Junior, já havia percorrido o alto comércio e convidado mais de duzentos jovens para a nova agremiação, além de conseguir a primeira conquista para o novo clube: “um vasto e esplendido terreno de propriedade do sr. J. D. Martins, à rua Aguiar de Andrade, no Macuco, onde será instalado o ground da nova sociedade esportiva”, concluía a nota.

No contexto da fundação do Santos Foot-ball Club, o quadro político da cidade era composto por algumas personalidades que viriam a fazer parte direta e indiretamente do clube. O prefeito da época, Belmiro Ribeiro de Moraes e Silva, curiosamente iria se perpetuar na memória da nova agremiação, emprestando seu nome ao antigo bairro da Vila Operária, popularizando a casa do Santos como Vila Belmiro e, como alguns cronistas gostam de chamar, “a vila mais famosa do mundo”.

As bases do novo clube seriam delineadas na reunião de 14 de abril de 1912, um domingo, às 14 horas, na sede do Club Concórdia, à rua do Rosário 18, atual João Pessoa, número 10. Naquela tarde, Raymundo Marques, ao abrir a sessão da assembleia de fundação, fez considerações sobre a situação do futebol e do objetivo da reunião de fundar um clube destinado ao esporte. Todos os presentes concordaram com o orador. Em sua maioria os ouvintes eram jovens estudantes e empregados no comércio, desejosos de participar de um clube destinado à prática do esporte bretão.

Com informações do Santos FC