Peres diz que vai se considerar campeão se o Santos levar a Liberta: 'Trouxemos o time e o técnico'

Em entrevista exclusiva para ATribuna.com.br, ex-presidente falou também sobre a atual gestão e convite para assistir a final

O Santos que alcançou a final da Libertadores enfrentou muitas turbulências fora de campo. As mais fortes atingiram a sala da presidência. Ao longo da competição, além de Andres Rueda, que assumiu o clube em janeiro, José Carlos Peres e Orlando Rollo também ocuparam o mais alto cargo da Vila Belmiro. E os dois últimos têm opiniões distintas sobre as suas participações na campanha que pode trazer o quarto título continental para o Memorial das Conquistas da Vila Belmiro.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços! 

Impedido de terminar o seu mandato acusado de praticar gestão temerária, Peres, em entrevista para ATribuna.com.br, revela que se o Santos vencer o Palmeiras, às 17 horas do próximo dia 30, no Maracanã, vai se considerar um dos responsáveis pela conquista e tetracampeão sul-americano. 

“Sim (vou me considerar um dos responsáveis pelo título), o time e o técnico foram contratados por nós. Mas não adianta eu me considerar um dos responsáveis. Essa constatação deverá vir da torcida. Campeão sim, humildemente sim”, disse o ex-presidente que foi afastado pelo Conselho Deliberativo no final de setembro e impedido pelos associados no início de dezembro, tudo em 2020. 

Questionado pela Reportagem se gostaria de estar entre os 150 convidados do clube para assistir a final no Maracanã, Peres foi taxativo. 

“Claro! Mas essa é uma questão de generosidade, e até agora nem contato, nem citação a atual gestão fez sobre o nosso trabalho. Como se o nosso Comitê de Gestão (CG) não tivesse existido e que esse time, toda essa comissão técnica e os funcionários de todas as áreas do CT Rei Pelé, tivessem sido contratados por eles. Mas quem faz, paga. Eu seria incapaz de cometer um ato desses. Porém, sei que a torcida está atenta", desabafou o ex-presidente. 

“Além disso, a briga pelos ingressos da final fica muito feia para o clube. Pessoas que sequer participaram efetivamente da montagem desta engrenagem toda querem estar presente", acrescentou. 

Ainda de acordo com Peres, o título da Libertadores seria um prêmio não só para ele, mas para todos aqueles que fizeram parte do seu CG e foram alvos de pesadas críticas. 

“O trabalho da gestão foi realizado de forma séria, consistente e planejado de forma que as contratações sempre foram realizadas amparadas pelo departamento de análise de desempenho, que acompanha o mercado do futebol. O título da Libertadores será um prêmio à gestão, aos principais atores que são os jogadores, a este excepcional treinador e a comissão técnica. Além, é claro, de toda a equipe de suporte, que são os integrantes da área médica, roupeiros, funcionários da cozinha, cortadores da grana, segurança, enfim... todos”.

Perguntado sobre os problemas financeiros em que o Santos se encontra após a sua saída da presidência e que já foram citados por Rueda, na presidência há menos de um mês, Peres negou que tenha deixado o clube em situação de difícil administração. 

“Pelo que me consta, o Rueda citou esses problemas ao falar sobre as contratações (de funcionários) do Rollo. Da nossa parte não há nada de errado. Já provei por meio de documentos, com os balanços de 2018, 2019 e 2020 que não houve erros”, comentou Peres.

Orlando Rollo

Também procurado e questionado se, em caso de título da Libertadores, irá se considerar um dos responsáveis pela conquista e campeão, Orlando Rollo entende que não. (Rollo administrou o Santos entre outubro e o final de dezembro do ano passado, após o impeachment de Peres).

“Os campeões serão os jogadores e a comissão técnica. A minha contribuição foi apenas extracampo”.

Sobre estar presente no Maracanã no próximo dia 30, Rollo preferiu não entrar em polêmica. Principalmente pelo fato de que, no seu entendimento, os membros do CG que montou foram tão importantes quanto ele na condução do clube pelos três meses de gestão. 

“Se for para a atual diretoria convidar, entendo que o CG que esteve comigo tem tanta participação quanto eu. Todos foram importantes e todos deveriam ser convidados. Entretanto, entendo a falta de credenciais”, disse Rollo, que negou ter sido convidado até o momento.

Tudo sobre: