EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

23 de Agosto de 2019

Na reserva, Luiz Felipe diz respeitar o momento dos companheiros de defesa no Santos

Apesar de vir tendo pouco espaço em campo, zagueiro mostra comprometimento e elogiou demais jogadores do setor

Apesar da derrota na última rodada para o São Paulo, o Santos ainda vive  boa fase. O time lidera o Campeonato Brasileiro e tem na defesa – a quarta melhor da competição, com 12 gols sofridos em 14 partidas  – um ponto forte. Com pouca chance de jogar, seja no esquema com dois ou três zagueiros, Luiz Felipe destaca o desempenho de seus colegas de setor.  

“Nenhum atleta gosta de ficar tanto tempo no banco, mas respeito o momento de meus companheiros, que é muito bom, isso é indiscutível. É trabalhar firme para, quando a oportunidade aparecer, eu estar à altura e continuar dando sequência nesse trabalho”.  

Para buscar o título nacional, o mantra de encarar cada jogo como uma decisão é repetido por titulares e reservas do Santos, segundo Luiz Felipe, que  nesta quinta-feira (15) à tarde acompanhou a vitória dos aspirantes do Alvinegro por 1 a 0 (gol de Alexandre Tam) sobre o Vitória, no estádio Ulrico Mursa, pelo Brasileiro da categoria.  

“A gente tem que encarar cada jogo como uma final pra continuar lá em cima. A gente não trabalha com pontuação, é o jogo a jogo, sempre busca os três pontos, independentemente se o jogo é em casa, se é fora, se é clássico ou se não é”, afirma Luiz Felipe.

A derrota para o São Paulo  não mexeu com o ânimo da equipe. “Deixamos a desejar em alguns aspectos. Isso já foi conversado durante a semana pra que não ocorra novamente. Mas o ambiente é super bom, não abalou a nossa confiança”. 

Sampaoli brincalhão 

A conhecida intensidade cobrada pelo técnico Jorge Sampaoli nos treinos e nos jogos, além da cara sempre sisuda e compenetrada do chefe, contrasta com outra versão do treinador, vista pelos jogadores nos treinos fechados à imprensa. 

“O Sampaoli é um cara normal, tranquilo, conversa, dá risada. Mas dentro de campo ele muda, quer foco no trabalho, atenção total. Quando começa o jogo ou o treinamento, acabou a brincadeira. Ele está sempre cobrando, mas quando o treino acaba é um cara muito brincalhão”, aponta. 

Domingo (18), o líder Santos vai a Belo Horizonte ciente do que encontrará pela frente no Mineirão, contra o Cruzeiro. “A gente está bem focado, sabe que vai ser um jogo muito difícil. Mudança de treinador (Rogério Ceni estreia no time mineiro) tem sempre uma motivação a mais. Pra nós vai ser mais uma final”. 

E o time, Luiz Felipe, vai com dois ou três zagueiros? “O professor ainda não decidiu (risos). A gente treina várias maneiras durante a semana, com três, com dois, isso a gente vai ficar sabendo perto do jogo”.