Jesualdo Ferreira critica postura de Peres em demissão no Santos e cita problemas fora de campo

Em coluna publicada no jornal português O Jogo, treinador se manifestou pela 1ª vez sobre saída do Peixe

O ex-técnico do Santos, Jesualdo Ferreira, se pronunciou neste domingo (9), pela primeira vez, sobre sua demissão do Peixe, ocorrida na última quarta-feira (5). Em coluna semanal publicada no jornal português O Jogo, ele fez críticas ao presidente do clube, José Carlos Peres, a quem atribuiu "pouca coragem". Ele também ressaltou que havia "desequilíbrio emocional" no ambiente, devido às dificuldades vividas pelo Peixe na temporada, em especial as financeiras.

"Quatro jogos seguidos atuando com dez jogadores, nunca tinha vivido algo assim, e derrotas e empate quando já ganhávamos as partidas foram interpretados pela direção como uma necessidade de mudar. Não o rumo que o clube levava, mas o treinador. Medida muito fácil de tomar (mas), no caso, de pouca coragem do presidente", escreveu Jesualdo, que deixou o Santos após 15 jogos, com seis vitórias, quatro empates, cinco derrotas e 48,8% de aproveitamento dos pontos.

ATribuna.com.br procurou o presidente José Carlos Peres, mas ele não se posicionou sobre as críticas do ex-treinador do Santos.

Em defesa do trabalho no Alvinegro, o português frisou que o projeto estava "em marcha" e diversos atletas das categorias de base seriam aproveitados na equipe principal, devido à maratona de jogos que virá pela frente em virtude do achatamento do calendário provocado pela pandemia da covid-19 e a situação financeira do Santos.

"Sem dinheiro e sem poder inscrever jogadores, só havia um caminho: desenvolver o talento que existe com trabalho competente. O outro caminho seria desistir, mas isso não faz parte de meu DNA".

Jesualdo não teve dúvidas ao relacionar as turbulências de fora de campo com os tropeços nas quatro linhas. Na semana do retorno do Campeonato Paulista, por exemplo, o goleiro Everson e o atacante Eduardo Sasha foram à Justiça requerer a rescisão contratual.

"Os problemas do clube aumentaram e prejudicaram o rendimento de todos. As expulsões em todos os jogos, a rescisão de contratos e o sentimento de insatisfação indicavam o desequilíbrio emocional que reinava na equipe".

Aos torcedores do Santos, ele fez questão de deixar um agradecimento especial e chamá-los de "excepcionais". Outro lembrado foi o ex-diretor de futebol do clube, William Thomas, que se demitiu devido à saída de Jesualdo. "Na minha carreira, nunca conheci ninguém como ele, tão capaz e competente".

Tudo sobre: