EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

17 de Novembro de 2019

Ferraz mata críticas no peito e diz que não há insatisfação com Sampaoli no Santos

Capitão do time, o lateral mandou recado para os propagadores de fake news na internet

Há seis temporadas no Santos, Victor Ferraz é um dos jogadores com mais tempo de casa no atual elenco. Isso faz dele o capitão do time, mas, por outro lado, um dos atletas mais criticados pela torcida nos momentos difíceis. Experiente, o camisa 4 do Peixe garante lidar bem com as reclamações vindas das arquibancadas e afirma que  em alguns momentos entende que as vaias são justas.

"Sou acostumado. Faz um tempo que o torcedor pega no meu pé, me critica. Às vezes é justo, às vezes não. Quem sou eu para querer mandar na opinião pública? Não sou ninguém. Eles pagam ingressos, assistem aos jogos e decidem se gostam ou não de alguém. Minha função é dar o meu máximo e tentar convencê-los de que mereço aplausos e não vaias. Tudo depende das minhas atuações. Ninguém está ali de maldade. Ao mesmo tempo, prefiro que me vaiem do que vaiem outros. Estou há muito tempo aqui, me sinto em casa na Vila. Prefiro vaias a mim do que a outro companheiro que pode decidir o jogo para a gente", comenta.

Ferraz também avalia que a atual temporada com a camisa alvinegra tem sido positiva. Mesmo sendo criticado pelos torcedores, ele ressalta o prêmio de melhor lateral-direito do Campeonato Paulista.

"É um bom ano. Fiz um grande Campeonato Paulista, fui o melhor da posição. Tinha Marcos Rocha, Fagner, Mayke, Bruno Peres... Era difícil conquistar esse prêmio. Fazemos um Brasileiro bom também, mas quando os resultados não acontecem as pessoas esquecem um pouco disso", avalia o lateral, que mandou um recado para os propagadores de fake news.

"De 10 dias para cá muitos torcedores me questionaram, vi donos de página de Instagram, que são formadores de opinião e deviam ter responsabilidade, falarem que existiam jogadores insatisfeitos e querendo derrubar Sampaoli. Isso aí é de uma mediocridade gigante. Não sei como o cara cria um negócio desse. Eu sou o capitão, não há como algo ser feito sem passar por mim. Conheço cada canto desse CT. É querer inventar algo e transferir a parte técnica para o caráter. Vocês me acompanham há quase seis anos, podem discutir qualidade técnica, tática, mas caráter nunca deixei a desejar. Nunca que me reuniria para tirar treinador A ou B, por mais horrível que fosse. Não faz parte do meu caráter. E tenho total admiração pelo Sampaoli. Não é puxar saco, não preciso disso para nada. Só um esclarecimento", finalizou o capitão.

Tudo sobre: