EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

6 de Dezembro de 2019

Depois de Bambu, Santos pode perder mais um zagueiro da base

Com contrato até fevereiro de 2020, Kaique Rocha pode assinar um pré-contrato com outro clube a partir do dia 28 de agosto

Depois de anunciar, no início deste mês, a renovação dos contratos de duas revelações da base, o volante Sandry e o atacante Tailson, o Santos tem mais um menino da Vila com vínculo perto do fim. O zagueiro Kaique Rocha tem contrato até fevereiro de 2020 e pode assinar um pré-contrato com outro clube a partir do dia 28 de agosto.

Com as negociações entre o clube e o representante do zagueiro travadas, Kaique Rocha, de 18 anos e 1,95m, chegou a treinar separadamente do elenco. Na semana passada, no entanto, o técnico Jorge Sampaoli o convocou para ser um dos sparrings nos treinos do elenco profissional.

“O professor Sampaoli pediu pra voltar a integrar o grupo e estou muito feliz, é motivo de orgulho, porque vestir a camisa do Santos é muito importante”, disse Kaique para A Tribuna, quando defendeu a equipe sub-23 no Brasileiro de Aspirantes, no triunfo por 1 a 0 sobre o Vitória no estádio Ulrico Mursa, na quinta-feira (15).

Há cinco anos no clube, Kaique pretende permanecer, mas aguarda uma proposta oficial do Santos para a renovação. “Estou esperando, aberto a negociar. Aqui é minha casa, aonde eu sou feliz”. 

No mês passado, a Sampdoria, da Itália, ofereceu 1 milhão de euros (cerca de R$ 4,5 milhões) para contratar o jogador, mas o Santos recusou a proposta. Genoa, também da Itália, e Al-Nasr, dos Emirados Árabes. “Subi (ao time profissional) no ano passado, ainda não tive a minha chance, mas estou me preparando a cada dia pra quando essa oportunidade aparecer, eu estar pronto”, cravou. 

O pai de Kaique, Rubens Rocha, confirmou que a intenção é manter o zagueiro em Santos. “O maior interesse da gente é renovar. Kaique tem 22 jogos no banco do Santos. O sonho dele é vestir a camisa oficial, só depende do presidente (José Carlos Peres)”.

Rubens disse que diante do impasse na renovação, ele procurou, através do empresário espanhol José Maria Miguel, a Sampdoria. “Não quero que ele saia como o Bambu (zagueiro que teve o vínculo encerrado com o Santos no final do ano passado e se transferiu de graça para o Athletico-PR), mas não podemos fazer nada. Quem tem a caneta é o presidente”. 

Apesar de poder assinar um pré-contrato com outro clube a partir de 28 de agosto, Rubens garantiu que a prioridade é o Santos. “Não estou preocupado, estou feliz por vê-lo jogar de novo, bem, no sub-20 e no sub-23. Sampaoli não iria atrás dele se ele não tivesse qualidade. A gente tá aguardando o que vai acontecer agora”. 

A Tribuna procurou o presidente José Carlos Peres, mas o dirigente não se manifestou sobre o assunto.

Tudo sobre: