EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

20 de Setembro de 2019

De pênalti, Santos busca empate contra o Athletico-PR na Vila Belmiro

Após levar gol na primeira etapa, Carlos Sánchez igualou o marcador aos 45 minutos do segundo tempo

Em um jogo tenso do início ao fim, o Santos não conseguiu vencer, mas buscou o empate diante do Athletico-PR na tarde deste domingo (8) pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após sofrer um gol na etapa inicial, o pênalti de Carlos Sánchez, somente aos 45 minutos do segundo tempo, garantiu um ponto para o Peixe, que permanece na vice-liderança do Brasileirão, dessa vez a dois pontos de vantagem do líder Flamengo.

O Santos volta a campo pelo Brasileirão no próximo sábado (14), para um dos jogos mais importantes da temporada. Enfrenta o Flamengo, no Maracanã, às 17h. Além dos três pontos, a liderança do campeonato estará em disputa. Já o Furacão jogará em seus domínios, na Arena da Baixada. No domingo (15), a equipe recebe o Avaí, às 11h.

O jogo

O Santos começou o jogo como sempre faz quando atua em casa, encurralando o rival, tendo domínio da posse de bola e criando oportunidades. A primeira chance que o Peixe teve de abrir o placar foi com um minuto de bola rolando. Marinho sofreu falta a um metro da entrada da grande área, Jean Mota cobrou, mas a bola foi parar nas mãos do goleiro Léo.

Aos sete minutos, outra chance de ouro, e de novo em lance envolvendo o camisa 11 santista. Marinho aproveitou falha na saída de bola por parte do arqueiro adversário e bateu de longe, mas o zagueiro Léo Pereira salvou a equipe visitante dentro da pequena área, fazendo o corte. Dois minutos depois, Lucas Veríssimo, de cabeça, ficou próximo de fazer 1 a 0 para o Santos.

Os primeiros vinte minutos seguiram com o Peixe como protagonista. Os alvinegros avançavam ao campo rival com mais facilidade e armavam jogadas de perigo ao Athletico. Porém, sem sucesso nas finalizações.

Aos 25 minutos do primeiro tempo, uma grande chance de gol partiu dos pés de Diego Pituca, que, minutos antes, recebeu um cartão amarelo, o que o tira automaticamente do próximo jogo, já que estava pendurado. Pegando de rebote, o volante chutou forte e rasteiro no gol de Léo, que estava bem posicionado, no meio do gol, e fez a defesa.

O cenário se transformou a partir dos 27 minutos, quando o Athletico teve sua primeira oportunidade de largar na frente. Everton Felipe, fazendo sua estreia com a camisa do Furacão, tentou bater no ângulo de Everson, mas a bola saiu por cima da meta do goleiro alvinegro.

Depois dessa jogada, o que se viu no gramado da Vila Belmiro foi os visitantes tomando conta das principais ações ofensivas da partida e ameaçando mais o Santos do que sendo ameaçado. O Peixe trabalhava a bola e ainda tinha a posse, mas era o Athletico que estava melhor armado.

Com o crescimento do Furacão no duelo, aos 33 minutos, quase o time de Tiago Nunes inaugura o marcador. Um bombardeio em direção ao gol de Everson, com chutes de Thonny Anderson e Vitinho, quase culminou no primeiro gol do jogo.

No entanto, foi somente nos minutos finais da primeira etapa, aos 41, que o placar saiu do zero.  Lucho González passou a bola para Thonny Anderson, o camisa 38 cruzou e Braian Romero, livre, empurrou, de carrinho, para o fundo do gol de Everson: 1 a 0 para o Furacão.

Aos 45 minutos, Uribe, que estava apagado na partida até então, ficou perto de fazer o gol de empate. Substituindo Soteldo no ataque, o 9 do Peixe bateu, o goleiro Léo segurou mas, em seguida, a bola escapou, tocou na trave. No fim, o arqueiro salvou na linha.

Nos acréscimos, o Athletico ainda continuou dando trabalho. De uma tabela entre Thonny Anderson e Braian Romero, quase saiu o segundo do Furacão na partida. Na sequência, Eduardo Sasha ia sendo lançado pela direita quando sofreu falta de Matheus Rossetto. Jean Mota foi para a cobrança mais uma vez e Léo espalmou.

No segundo tempo, a equipe de Jorge Sampaoli adotou a mesma postura do início do primeiro, pressionando o adversário e transformando a posse em situações de jogo. Porém, o Peixe continuava a encontrar o mesmo problema dos 45 minutos iniciais: não tinha êxito nas chutes no gol e errava o último passe.

Aos oito minutos, Léo fez uma enorme defesa para salvar o Athletico do empate. Carlos Sánchez cobrou escanteio na cabeça de Gustavo Henrique, que fez o goleiro do Furacão se deslocar para fazer a defesa. A bola ainda bateu na trave e saiu pela linha de fundo, gerando novo escanteio para o Santos cobrar.

O Peixe teve três de suas melhores chances de deixar tudo igual na Vila em lances de bola parada, e em sequência. Na marca dos 33 minutos, Sánchez levantou a bola na área e Lucas Veríssimo, cabeceando, fez Léo trabalhar e fazer grande defesa para evitar o 1 a 1. Aos 34, Veríssimo tocou para Marinho e o camisa 11 cruzou para Uribe, que estava sozinho na área, cabecear. A bola, porém, foi para fora.

O relógio já passava dos 40 minutos do segundo tempo quando o VAR foi acionado devido a um lance em que o árbitro Rodrigo Carvalhães de Miranda teve dúvidas se foi dentro ou fora da área, contra o Athletico. O juiz concluiu que Marinho foi derrubado dentro da grande área por Braian Romero, o autor do gol do time paranaense, e assinalou pênalti pra o Peixe após alguns minutos.

Já com o jogo nos acréscimos, Sánchez ficou encarregado de tentar converter a penalidade e não desperdiçou a chance: bateu com cavadinha e fez 1 a 1 para o Santos, que, com o resultado, manteve a invencibilidade na Vila Belmiro este ano. 

Ficha técnica

Santos 1 x 1 Athletico Paranaense
Rodada 18 do Campeonato Brasileiro
8 de setembro de 2019 (domingo)
16h (de Brasília)
Vila Belmiro (Santos, SP)

Escalações:

Santos: Everson; Felipe Aguilar (Pará), Gustavo Henrique e Lucas Veríssimo; Carlos Sánchez, Diego Pituca, Jean Mota (Lucas Venuto) e Felipe Jonatan; Marinho, Uribe e Eduardo Sasha. Técnico: Jorge Sampaoli

Athletico: Léo; Madson, Pedro Henrique, Léo Pereira e Adriano (Abner); Matheus Rossetto, Lucho González (Erick) e Everton Felipe (Tomás Andrade); Braian Romero, Vitinho e Thonny Anderson. Técnico: Tiago Nunes

Gols: Carlos Sánchez (46’2T), do Santos; Braian Romero (41’1T), do Athletico

Cartões amarelos: Diego Pituca (15’1T) e Lucas Veríssimo (53’2T), do Santos; Lucho González (29’1T), Adriano (34’1T), Matheus Rossetto (49’1T), Thonny Anderson (29’2T), do Athletico

Árbitro: Rodrigo Carvalhães de Miranda (RJ)

Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa (RJ) e Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha (RJ)

VAR: Rodrigo Nunes de Sa (RJ)

Público: 12.569 pessoas

Renda: R$ 476.930,00