CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Ciente das limitações financeiras, Holan quer garimpar talentos usando a tecnologia
Apesar de ser apaixonado pelas tecnologias, treinador fez questão de deixar claro que não supera aquilo que é visto dentro de campo
Por: Bruno Lima  -  01/03/21  -  18:22
Ariel Holan vai garimpar talentos usando a tecnologia   Foto: Guilherme Kastner / Santos FC

Na sua trajetória como treinador, Ariel Holan nunca escondeu que é favorável ao intenso uso das tecnologias. No Santos isso não deve ser diferente, e o argentino, durante a sua entrevista coletiva de apresentação como novo comandante alvinegro, detalhou como isso é, no seu entendimento, importante para o time e para a evolução dos jogadores. E ele também disse estar ciente das limitações financeiras do clube.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


"A tecnologia não assegura resultado, mas ajuda a tomar decisões, diminuindo a margem de erro. E também ajuda no entendimento dos atletas. Na área física, GPS ajuda no controle de volume e intensidade do que é produzido pelos jogadores nas partidas e nos treinos. Nas análises por vídeo, eu gostei muito de implementar o drone. Ver de cima é melhor. E para treinadores e jogadores, é importante ver pela imagem como se pode melhorar o jogo. Desse ponto de vista, essa ferramenta é um recurso importante. Os softwares de análise ajudam a armazenar a informação. É bom analisar e tê-las rapidamente para tirar estatísticas", explicou o argentino.


"O Bigdata é importante para desenvolvimento, para tomar decisões por tendências de resultados numéricos. Desse ponto de vista, são alguns recursos a serem utilizados para melhorar a equipe. E do ponto de vista médico, tecnologias avançadas para ajudar na recuperação de jogadores entre partidas. Questões importantes para levar adiante um projeto. Não nos garante ganhar, mas nos ajuda a tomar decisões melhores. É o lugar que a tecnologia ocupa no nosso processo de treinamento e jogos", acrescentou.   
 
Apesar de ser apaixonado pelas tecnologias, Holan fez questão de deixar claro que não supera aquilo que é visto dentro de campo, mesmo tendo pouco tempo para observar o elenco em treinamentos, uma vez que o Santos encara a Ferroviária nesta quarta-feira (3), o São Paulo no sábado (6), e terça-feira (9) estreia na pré-Libertadores contra o Deportivo Lara, da Venezuela, em casa. 


"Os jogadores, nós conhecemos por meio da tecnologia. Vimos partidas e recebemos informações. Temos ideia de todos os atletas, mas queremos vê-los no campo. Presidente foi claro: aceitei o desafio sabendo que temos restrições em curto prazo. Não pensamos em reforços, mas sim no que temos e no que podemos encontrar de melhor. Vamos analisar. E depois de tudo isso, tomar as melhores decisões. O tempo é curto, teremos que fazer ajustes de acordo com nossa identidade e filosofia de jogo. Faremos esses ajustes, evoluiremos jogando e treinando o que der. Com tantos jogos e calendário apertado, é lógico que tenhamos que ajustar ao longo dos jogos e poucos treinamentos. Trabalharemos muito com videoanálise, e no campo o que o físico tolerar. Sabíamos que seria assim. Vamos tomar decisões rapidamente para ajustar detalhes até chegar nessa identidade de jogo", concluiu o argentino.