'Achincalhado', Santos não tem dinheiro para pagar salários em novembro e tenta vender Soteldo

Rollo, afirmou que o clube não tem dinheiro em conta, tampouco previsão para a entrada de receitas que permitam honrar os próximos vencimentos

Caso o Conselho Deliberativo do Santos vote a favor da venda dos 50% dos direitos econômicos de Soteldo ao Huachipato por US$ 3,5 milhões (R$ 19,6 milhões), cujo pagamento não será feito à vista, a diretoria alvinegra terá que se desdobrar para conseguir pagar os salários referentes ao próximo mês. Em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (21), o presidente em exercício do Peixe, Orlando Rollo, afirmou que o clube não tem dinheiro em conta, tampouco previsão para a entrada de receitas que permitam honrar os próximos vencimentos.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

"O Santos não tem dinheiro para pagar os salários do mês que vem. Temos R$ 3,2 milhões de recebíveis, que não pagam meia folha salarial. Tínhamos a ideia de negociar o Soteldo para quitar salários, mas aí conseguimos ponderar algumas questões da ordem econômica da operação. Se não passarmos os 50% ao Huachipato, teremos de pagar os chilenos, estaremos sujeitos a um novo processo na Fifa e dificilmente derrubaremos esse transfer ban nos próximos meses. Temos de pensar em dar uma condição boa ao novo presidente. Corremos um sério risco de ter mais um bloqueio nas nossas contas. Encaramos essa proposta como menos ruim, porque zeraremos esse processo na Fifa com o Huachipato, pagaremos a dívida com o atleta, que nunca recebeu direitos de imagem, e, para o mês que vem, vamos atrás de receitas. O Cuca, a comissão técnica e os jogadores estão cientes da situação do Santos. Estamos matando um leão por dia", disse Rollo. 

Se os planos do mandatário em exercício se concretizarem e o Conselho Deliberativo aprovar a venda dos 50% do Soteldo ao Huachipato, a partir desta quinta-feira ele começará a cuidar da pendência financeira com o Atlético Nacional, da Colômbia, pelo compra do zagueiro Felipe Aguilar. O Santos deve duas parcelas ao clube colombiano no valor total de R$ 4,2 milhões. Incomodado com a situação, o Atlético Nacional, além de conseguir impedir o Peixe de contratar jogadores pelas próximas três janelas de transferência, já cobrou o Alvinegro publicamente em seu site oficial. 

"O Santos está sendo achincalhado no exterior. Estamos com uma filosofia de tirar um problema da frente de cada vez. Primeiro, focamos no Hamburgo. Tiramos o problema do Hamburgo da frente. Focamos no Huachipato, se der tudo certo vamos tirar o Huachipato da frente. Aí, sim, depois de tirar o Huachipato da frente, o nosso foco é tirar o Atlético Nacional. Temos de nos concentrar em um problema de cada vez", explicou Rollo.

Tudo sobre: