EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Agosto de 2019

Palmeiras vence o Vasco no Rio de Janeiro e conquista o título brasileiro

Com uma rodada de antecedência, Verdão conquistou o décimo título nacional de sua história; Deyverson marcou único gol do jogo

Este foi o 10° título brasileiro na história do Palmeiras e o segundo em três anos (foto: Folhapress)

O Campeonato Brasileiro tem um campeão indiscutível. Invicto há 22 jogos, dono do maior número de vitórias, time que mais marcou gols e que menos sofreu na competição, o Palmeiras bateu o Vasco por 1 a 0, neste domingo, em São Januário e chegou ao seu décimo título nacional. A festa no Rio, em São Paulo e Brasil afora é do Palmeiras.

A conquista deste domingo coroa uma campanha quase irrepreensível a partir da reta final do primeiro turno. Depois de um início titubeante sob o comando de Roger Machado - que deixou a equipe em julho, na sétima posição -, o clube paulista trouxe de volta o velho conhecido Luiz Felipe Scolari e não perdeu mais na competição. 

O título também demonstra mais uma vez que enquanto bons times vencem jogos, bons elencos ganham campeonatos. E o Palmeiras tem os dois. O décimo título nacional do clube se tornou realidade mesmo que Felipão tenha usado mais de duas dezenas de jogadores diferentes ao longo do Brasileirão. Ainda assim, diante do Vasco a equipe chegou a 22 partidas sem perder no torneio.

O jogo deste domingo, contudo, não foi uma exibição de encher os olhos. Contra os cariocas, o Palmeiras jogou como se estivesse administrando a vantagem na tabela do Brasileirão e não parecia ter pressa em vencer. 

Com Felipe Melo e Bruno Henrique firmes à frente da área, a equipe fez um primeiro tempo sem sobressaltos na defesa e pouco inspirado no ataque. Dudu iniciou no lado direito e terminou na outra ponta. Lucas Lima, sem espaço para criação, estava pouco inspirado. Mais à frente, Willian se limitava a passes laterais e Borja era figura nula.

O que pareceu motivar o Palmeiras foram os dois gols do Flamengo sobre o Cruzeiro em Minas, resultado que levava a definição do campeonato para a última rodada. Coincidência ou não, na etapa final a equipe paulista resolveu avançar suas linhas e a ser mais incisivo na frente. Deyverson entrou na vaga de Gustavo Borja, Scarpa substituiu Lucas Lima e as chegadas até então esporádicas ao gol de Fernando Miguel passaram a ser mais comuns

O gol que começou a sacramentar o título surgiu aos 27 minutos, e nasceu de uma jogada bem tramada do ataque palmeirense. Dudu lançou Willian pelo lado da área e o atacante tocou no meio para Deyverson, completamente livre, mandar para o gol.

A abertura do placar significou também o começo da festa do torcedor palmeirense que lotou seu espaço no São Januário - e também de alguns que se infiltraram em meio à torcida vascaína. Dentro de campo, fez ainda o Palmeiras retomar o cuidado defensivo visto no primeiro tempo. O time decidiu parar de ir ao ataque. E nem precisava mesmo. O título nacional, o décimo da história, já era do Palmeiras.

Agora, no próximo domingo, o time fará a festa ao lado da sua torcida, no Allianz Parque, contra o Vitória. No mesmo dia, o Vasco, com 42 pontos, enfrentará o Ceará como visitante.

Deyverson saiu do banco para marcar o gol que do título do Palmeiras (foto: Alexandre Schneider/Getty Images)

Ficha técnica

Vasco x Palmeiras

Vasco - Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castan e Henrique (Willian Maranhão); Desábato (Raul), Andrey, Pikachu, Thiago Galhardo e Kelvin (Marrony); Maxi López. Técnico: Alberto Valentim.

Palmeiras - Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Gustavo Scarpa); Dudu, Borja (Deyverson) e Willian (Jean). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Gol - Deyverson, aos 27 minutos do segundo tempo.

Árbitro - Rafael Traci (PR).

Cartões amarelos - Desábato, Leandro Castán, Andrey e Andrés Rios (no banco) (Vasco); Felipe Melo, Bruno Henrique, Gustavo Gomez, Deyverson e Jean (Palmeiras).

Cartão vermelho - Yago Picachu (Vasco).

Renda - R$ 596.810,00.

Público - 21.066 pagantes (21.966 presentes).

Local - São Januário, no Rio.