EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

22 de Setembro de 2019

Vice-secretário-geral, Boban deixa Fifa para assumir cargo no Milan

Ex-jogador do clube italiano, Boban volta agora como dirigente. Ele será diretor técnico e vai trabalhar ao lado de Paolo Maldini

Zvonimir Boban vai voltar para o Milan. Vice-secretário-geral da Fifa desde 2016, o croata vai deixar as funções na entidade que rege o futebol mundial para se tornar dirigente do time italiano, onde se destacou e conquistou seus principais títulos como jogador profissional. 

Afastado dos gramados desde 2002, o ex-meia-atacante vai se juntar novamente a Paolo Maldini, apontado recentemente como diretor técnico do clube de Milão. Juntos, eles ganharam quatro troféus do Campeonato Italiano e a Liga dos Campeões de 1994.

"Quando Paolo me ligou para saber se eu estaria disponível, eu saltei para o meu carro e fui até a sua casa, em Milão, no meio da noite", disse Boban, em comunicado divulgado pelo clube italiano.

Na Fifa desde 2016, o ex-jogador da seleção croata ajudou a entidade a implantar o sistema de árbitro de vídeo (VAR), usado na Copa do Mundo de 2018, na Rússia. E fez lobby junto aos clubes europeus para aceitarem as mudanças no remodelado Mundial de Clubes da Fifa, que passaram por fortes alterações a partir de 2021.

Em tese, Boban era o número três da Fifa, abaixo somente do presidente Gianni Infantino e da secretária-geral Fatma Samoura. Mas atuava mais como um conselheiro pessoal do presidente, em assuntos mais ligados ao futebol, do que como um dos principais executivos da entidade. 

"Eu sempre serei grato ao presidente Gianni Infantino pela oportunidade que me deu após a sua eleição, em 2016. Fiel ao seu lema de 'trazer o futebol de volta para a Fifa e a Fifa de volta para o futebol', ele teve a coragem de confiar a um ex-jogador um cargo de importância tão grande dentro da organização", comentou Boban.

De acordo com a Fifa, Boban ainda vai acompanhar Infantino na final do Mundial Sub-20, no sábado, na Polônia - quando jogador, ele ajudou a então seleção da Iugoslávia a vencer esta competição em 1987.

Em seu retorno ao Milan, Boban vai encontrar um cenário totalmente diferente do que viveu quando era jogador. Em baixa na Europa, o time foi apenas o sexto colocado no último Campeonato Italiano e novamente vai ficar de fora da Liga dos Campeões, pela sexta temporada consecutiva.

Fora de campo, a equipe milanesa também enfrenta problemas. O clube encara uma investigação da Uefa por supostas infrações nas regras do fair play financeiro. Se condenado, poderá ficar fora das competições europeias por uma temporada. "Eu tenho um desejo ardente de ajudar este glorioso clube, que significa tanto para mim, a retornar para o lugar que realmente pertence", disse Boban.