EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

23 de Outubro de 2019

Novo Código Disciplinar da Fifa dá mais poder aos árbitros para combater racismo

Novo Código será aplicado apenas nas competições oficiais da Fifa, incluindo as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 no Catar

O novo Código Disciplinar da Fifa, que foi tornado público nesta quinta-feira (11), vai permitir que os árbitros suspendam um jogo de futebol por incidentes racistas, podendo até mesmo dá-lo por encerrado e atribuir a derrota à equipa infratora. Depois de quase 15 anos sem grandes alterações, a entidade quer dar mais poder aos juízes e acabar com os problemas relacionados ao racismo nos estádios.

O código, desenvolvido após consulta das seis confederações de futebol e outras entidades relacionadas, introduz modificações significativas em áreas como o racismo e a discriminação que, segundo a Fifa, colocam a entidade liderada pelo suíço Gianni Infantino "na linha de frente do combate a este ataque aterrador aos direitos humanos fundamentais".

"A menos que existam circunstâncias excepcionais, se uma partida for abandonada pelo árbitro por causa de conduta racista e/ou discriminatória, será atribuída a derrota à equipa infratora", afirmou a Fifa em seu novo Código Disciplinar.

A medida pode ser aplicada depois de o árbitro aplicar o "procedimento de três etapas" para tais incidentes, o que inclui solicitar um anúncio público para exigir que tal comportamento pare, suspender a partida até que esses comportamentos parem e, finalmente, abandonar a partida definitivamente.

A entidade estipulou castigos mais pesados para jogadores e outros responsáveis que se envolvam em abusos racistas, duplicando de cinco para 10 jogos o período de suspensão, e vai criar painéis de juízes para ouvirem as vítimas de racismo e discriminação.

O novo Código Disciplinar será aplicado inicialmente apenas nas competições oficiais da Fifa, incluindo as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, que será realizada no Catar.

Tudo sobre: