EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Fevereiro de 2019

Equipe de ciclismo de Santos é apresentada com retorno de medalhista paralímpico

Lauro Chaman foi prata e bronze na Paralimpíada Rio 2016 e está de volta ao time de ciclismo que representa a cidade

As equipes masculina e feminina de ciclismo de Santos serão apresentadas oficialmente nesta segunda-feira (11) para a temporada 2019. Um dos destaques é o retorno do medalhista paralímpico Lauro Chaman, que brilhou na Rio 2016, ao time dos homens.

Após subir ao pódio duas vezes nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, tendo faturado uma prata e um bronze, o ciclista foi para São José dos Campos, no interior de São Paulo. Depois de dois anos longe de Santos, Chaman decidiu voltar para a cidade para competir pela equipe Memorial/Santos/Fupes.

O técnico Cláudio Diegues avaliou que contar novamente com o atleta, além de fortalecer o paraciclismo da equipe da Baixada Santista, eleva o nível do time nas competições de elite.

"Ele é uma referência. Teve toda uma carreira construída aqui, na equipe. Além de ser do paraciclismo, é o atual campeão brasileiro de contrarrelógio individual elite. Quer dizer, tem qualidade para correr no ciclismo olímpico e no paralímpico", afirmou.

Além de Chaman, o time Memorial/Santos/Fupes apostou em Luis Carlos Amorim, outro nome de destaque nacional. "Ele já foi quatro vezes campeão brasileiro de contrarrelógio. É um atleta experiente, que vai acrescentar bastante", disse Diegues.

Com os reforços, o técnico espera que a equipe masculina melhore seus resultados em relação aos últimos anos: "Com a vinda do Lauro e do Luis, acreditamos que vamos voltar a ser protagonistas no pelotão elite brasileiro, assim como já somos entre as mulheres".

No ciclismo feminino, o time seguirá com Ana Polegatch e Camila Coelho. A paraciclista Márcia Fanhani, sexta colocada no Campeonato Mundial da modalidade disputado ano passado, também é nome garantido.

Planos para a temporada

Cláudio Diegues revelou que, neste ano, a equipe vai disputar mais competições internacionais. Isso com o objetivo de ajudar o Brasil a conquistar vagas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020, em Tóquio.

"Na temporada passada, passamos três meses na Bélgica. A ideia para este ano é aumentar a participação internacional, indo para outras competições na Europa e aqui, nas Américas. Isso visando somar pontos no ranking mundial, no olímpico, a fim de ajudarmos o Brasil a conquistar o maior número de vagas", afirmou o técnico, citando que a maior parte do time que irá ao exterior é composta por atletas do feminino.

O treinador ainda contou que ciclistas mais jovens serão levados para os torneios internacionais. O intuito é que eles "ganhem experiência, já projetando os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris".