EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Primeira final de jogo único da Libertadores é a 15ª entre Brasil e Argentina

Flamengo e River Plate se enfrentarão em um duelo histórico no próximo dia 23, em Santiago, no Chile

A primeira decisão em partida única da história da Copa Libertadores da América, em Santiago, no próximo dia 23 de novembro, vai colocar frente a frente Flamengo e River Plate, no que será a 15ª final do torneio entre um time brasileiro e um argentino.

Ao todo, a vantagem é das equipes da Argentina, que venceram nove confrontos, a maioria. Porém, nos últimos dois duelos, Grêmio e Corinthians bateram Lanús e Boca Juniors, respectivamente, em 2017 e 2012, e deixaram os clubes argentinos com um tabu de dez anos sem vencer uma equipe brasileira na final do principal torneio do continente. Na última vez que isso ocorreu, o Estudiantes derrotou o Cruzeiro e conquistou seu quarto título, em 2009.

Finalista de 2019, o River Plate esteve em uma dessas 14 decisões anteriores entre Brasil e Argentina. Foi em 1976, quando superou o Cruzeiro. O time de Buenos Aires é dono de quatro troféus, contra apenas um do Flamengo, adversário no próximo dia 23.

O time argentino vem embalado com o título da Libertadores do ano passado conquistado em cima de seu maior rival, o Boca Juniors, que foi novamente derrotado na semifinal deste ano.

Nos últimos cinco anos, aliás, o River é o grande bicho-papão do futebol sul-americano. Além de dois títulos da Libertadores, em 2015 e 2018, a equipe argentina faturou uma Copa Sul-Americana, em 2014, e três Recopas, em 2015, 2016 e 2019.

O time de Buenos Aires ainda foi campeão da Libertadores em 1986 e vice nas edições de 1966 e 1996. Ao todo, portanto, foram seis finais.

O Flamengo, por sua vez, retornou a uma decisão de Libertadores após 38 anos ausente. Na última vez que chegou, em 1981, quando era comandado pela geração de Zico, o time rubro-negro venceu o chileno Cobreloa em três partidas e se sagrou campeão. Depois disso, nunca mais alcançou uma final do torneio.

Apesar do histórico inferior ao adversário na Copa Libertadores, o Flamengo leva vantagem no confronto direto em jogos válidos pela Copa, em quatro partidas disputadas.

Em outubro de 1982, o Flamengo foi ao Monumental de Nuñez e atropelou o River por 3 a 0, pela semifinal do torneio. No jogo de volta, no Maracanã, em novembro, outra vitória convincente: 4 a 2. Apesar dos triunfos, a equipe brasileira não chegou à final, já que naquela ocasião as semis eram disputadas por seis clubes, divididos em duas chaves de três.

Houve ainda dois empates entre River e Flamengo pela Libertadores, ambos pela fase de grupos do ano passado: 2 a 2, no Engenhão, e 0 a 0, no Monumental de Nuñez. Para completar os números da decisão de 2019, o duelo vai colocar frente a frente duas das maiores torcidas do continente.

O Flamengo possui cerca de 40 milhões de torcedores, com 20% da preferência do público brasileiro, segundo a última pesquisa do Datafolha, o que faz do time rubro-negro o mais popular do país. Já o River é a segunda maior torcida da Argentina, dona de 33% do público, com mais de 14 milhões de fãs.

A importância da tão grande, que mesmo atletas que hoje atuam na Europa sentem falta de entrar em campo em uma noite de Libertadores. Em entrevista à Betway Esportes, site de aposta online, craques sul-americanos falaram sobre suas experiências na competição e a expectativa da final entre brasileiros e argentinos. Confira no vídeo as entrevistas exclusivas com Felipe Anderson, Balbuena e Lanzini, do West Ham, Jonathan Silva, do Leganés, e Lisandro Magallán, do Alavés, todos com histórico no torneio.

Tudo sobre: