EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

19 de Março de 2019

Eu Estudo Certo

Martha Vergine é delegada de polícia, professora universitária e teacher coach do EU ESTUDO CERTO. Especialista em técnicas de estudo e estratégias emocionais para ajudar pessoas que querem passar mais rápido em provas - como concursos públicos, exame da OAB, vestibulares e ENEM.

Você é mulher, mãe, profissional e concurseira? Precisamos conversar.

Dia 8 de março - Dia Internacional das Mulheres.

Será que precisamos de um dia exclusivo para isso? O dia das mulheres são todos os dias, dizem os mais românticos. 

Mas será mesmo? 

A realidade não se apresenta tão romântica assim para as mulheres. 

Ser mãe, esposa (muitas vezes, arrimo de família), manter a casa, o trabalho (muitas vezes, exercendo cargos de liderança) e ainda, a cobrança para estar sempre linda (e magra), não é tarefa fácil.

O mundo profissional cobra dela o tempo de uma mulher solteira. E a casa, espera dela o tempo de uma mulher do lar. A conta não fecha!

O tempo parece nunca ser suficiente. Na verdade, ele não é mesmo. 

A mulher constantemente precisa fazer escolhas. E quase sempre, ela escolhe abrir mão do tempo que dedicaria aos seus interesses, em prol dos outros, sejam eles família ou trabalho.

Essa falta de empatia da sociedade com a vida contemporânea da mulher deve ser sempre reavaliada. E esse, é um dos motivos que acredito ser importante ter um dia internacional para nós. 

É preciso falar. É preciso refletir. É preciso mudar. E uma data comemorativa provoca o assunto. 

Sendo assim, vamos conversar!

Quem acompanha a minha Coluna, aqui na Atribuna Digital, provavelmente busca ser aprovado(a) em uma prova importante, seja concurso público ou prova da OAB. 

Então, observe as propagandas dos cursinhos preparatórios e das faculdades. A maioria avassaladora do corpo docente é formada por homens. 

E não estou falando isso por mero "mimimi" não! 

A verdade é que sempre me incomodou a ausência de representante feminina como referência de sucesso nesse mercado. 

Do jeito que as coisas se apresentam, parece que não existem professoras mulheres. O que não é verdade! Existem excelentes professoras, sou admiradora de várias delas. 

Isso também acontece nos simpósios, seminários e congressos. Não posso dizer em outras áreas, mas nos eventos jurídicos, é quase regra.

Qual a saída? 

Ficar reclamando, esbravejando e tentando mudar o cenário no grito?

Não, não é o meu perfil.

A saída que encontrei para - acalmar meu coração e - tentar contribuir para cada vez mais mulheres estejam nos cenários acadêmicos e jurídicos de destaque é conscientizá-las desde a preparação.

O que me motivou a ser professora foi me identificar com um exemplo de mulher que lecionava de forma brilhante nas aulas da Academia de Polícia. Ver que outra mulher estava lá me empoderou a ir buscar o mesmo. 

Precisamos de exemplos, de referências. Precisamos estar lá para motivar outras.

Facilmente constatamos que a maioria do corpo discente nas salas de aula dos cursinhos e faculdades é formada por mulheres. Mais uma vez, falo do universo que vivo, do Direito, isso pode ser diferente em outras áreas. 

Mas o que acontece com a mulher depois que ela se forma? 

Quando ela já está advogando ou exercendo a carreira pública que escolheu, por que o avanço para as posições de destaque parece ser mais difícil?

Quais são as barreiras? 

Serão só externas (o mundo é predominantemente machista) ou há também as internas (inseguranças e dificuldade em abrir mão de tempo com a família para investir no trabalho) ?

São tantas possibilidades. Quero realmente entender o que acontece. E vou fazer isso no @euestudocerto agora no mês de março. 

Quero conversar com você mulher que vive essa realidade. As postagens do mês de março serão exclusivas para ajudar as "concurseiras" e "oabeiras" a ter mais produtividade nos estudos. Me acompanhe!

Eu também ainda estou buscando o meu espaço como mulher, delegada de polícia, professora universitária e coach de estudos. 

Falando nisso, quantas coaches de estudo mulheres você conhece atuando nos grandes cursos? Pensando nessa atividade, quais nomes aparecem na sua mente? Com certeza muitos homens e, uma ou duas mulheres. 

Mas, se as meninas são maioria entre as candidatas não seria importante ter alguém que falasse sobre como conciliar a vida de mulher, mãe, filha, esposa, namorada, profissional e também concurseira?

Esse é o meu desafio!

Sei que a caminhada é longa, e eu gostaria de ter muito mais mulheres ao meu lado durante o percurso. Como diz o pensamento que gosto muito: 

"Quer ir rápido, vá sozinho. Quer ir longe, vá acompanhado". 

Eu quero ir muito longe! E sei que juntas - nós mulheres - somos muito mais fortes. 

Junte-se a mim. 

#Sororidade, esse é o segredo. 

Mulheres ajudando mulheres. 

Vamos juntas criar a nossa vida real dos sonhos por meio do estudo. Esse, ninguém tira de nós!

PARABÉNS pelo nosso dia.

 

INSTAGRAM @euestudocerto

FACEBOOK @euestudocerto

YOUTUBE /blogeuestudo

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.