EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

24 de Março de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Jovem é encontrado morto após citar 'bullying' em post no Facebook

Caso ocorreu em Cananeia; Brasil tem 6% da população em depressão

Não faz muito tempo que, navegando pela internet, acabei dando de cara com uma notícia assustadora. O texto dizia que, até 2020, a depressão seria a doença mais incapacitante do mundo.

No Brasil, apenas em 2016, mais de 75 mil pessoas foram afastadas do trabalho por conta desse problema que, ano a ano, cresce exponencialmente e atinge mais e mais pessoas sem distinguir sexo, cor ou classe.

Fatores como jornadas exaustivas, imposição de metas abusivas, falta de reconhecimento e autonomia são fatores que desencadeiam o problema no trabalho. Relacionamentos abusivos, desemprego e frustrações, entre outras coisas, são fatores pessoais que contribuem para a doença.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, o Brasil é considerado 'campeão' de casos na América Latina, com cerca de 6% da população enfrentando o problema.

Hoje cedo, mais uma vez navegando pela internet, me dei de cara com outra notícia assustadora: um jovem de 24 anos deixou uma mensagem de despedida no Facebook antes de, supostamente, cometer suicídio em Cananeia. Seu corpo foi encontrado no mar.

Identificado como Bruno Pontes, o rapaz utilizou as redes sociais, no 1º dia do ano, para falar sobre a decisão de tirar sua própria vida. O texto, com cerca de 100 linhas, começa isentando a responsabilidade de qualquer pessoa: "Não foi culpa de ninguém. Foi uma escolha exclusivamente minha. Ninguém teve participação nisso".

Bruno Pontes tinha 24 anos e deixou texto de 'despedida' no Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)

Durante a reflexão, Bruno deixa claro que deixou de ter interesse pela vida, relembra que sofreu bullying durante a infância, por parte de colegas da escola, o que teve como consequência uma reprovação no Ensino Médio.

Segundo especialistas, a principal e mais efetiva maneira de evitar novos casos como o de Bruno é admitir que a depressão é uma doença. Mais de 2 milhões de brasileiros sofrem desse mal, extremamente comum, mas que precisa de auxílio médico. Se tratada a tempo, por profissionais competentes, a estimativa é que o problema seja controlado em poucos meses.

Sensação persistente de tristeza ou perda de interesse, que levam a alterações no sono, apetite, nível de energia, concentração ou autoestima são alguns dos sintomas desse problema. Nesse caso, o melhor a se fazer é admitir que há algo errado e procurar ajuda.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.