EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

18 de Julho de 2019

Alexandre Lopes

É Editor-Chefe de Web no Grupo Tribuna e responsável pelo G1 no litoral de São Paulo. No grupo desde 2008, já participou de coberturas em mais de 15 países. Atualmente, além de coordenar os portais, também apresenta o G1 em 1 Minuto e é comentarista da TRI FM.

Destruição de patrimônio e seu custo para a sociedade

Vandalismo é um mal que afeta praticamente todas as cidades da Baixada Santista e causa prejuízos gigantescos aos cofres públicos

Os moradores de Itanhaém foram surpreendidos, neste fim de semana, por uma atitude criminosa de alguém que ainda não foi identificado. O monumento 'Mulheres de Areia', um dos mais famosos da Baixada Santista, foi literalmente decapitado por algum marginal.

A estátua, feita pelo artista Serafim Gonzalez, é famosa no Brasil inteiro por conta da gravação da novela homônima exibida na TV Tupi entre 1973 e 1974 e, depois, imortalizada, também, na TV Globo, que apresentou a cidade para todos os cantos do país.

Não foi a primeira vez que criminosos atacaram a obra. Em 2014, a estátua, que está na Praia dos Pescadores desde 1975, passou por restauração justamente para tentar coibir novos atos de vandalismo. Não adiantou.

Esses ataques não acontecem unicamente em Itanhaém. Vandalismo é um mal que afeta praticamente todas as cidades da Baixada Santista e causa prejuízos gigantescos aos cofres públicos. Dinheiro esse que poderia ser investido em diferentes áreas.

Monumentos históricos depredados também passaram por restauração em São Vicente (Foto: Carlos Nogueira/AT)

Em Santos, por exemplo, a Prefeitura calcula que gasta R$ 1,3 milhão por ano. Esse valor, por exemplo, seria o suficiente para construir uma nova creche na cidade, o que atenderia cerca de 30 famílias e diminuiria as filas por uma vaga que costuma ser extremamente disputada.

Muitas vezes esses danos são quase que imperceptíveis, ao contrário do ataque contra o 'Mulheres de Areia'. Alambrados, vidros, luminárias quebradas, além de lixeiras pichadas, fechaduras arrancadas e cabos elétricos roubados entram nessa conta sem fim.

A cabeça arrancada da 'Mulheres de Areia' foi recuperada poucas horas depois e deverá passar por restauração nos próximos dias. Os custos ainda não foram estimados pela prefeitura, que exigiu a investigação do crime e punição aos suspeitos.

Não tenho dúvidas de que os autores desse crime serão identificados rapidamente. Que paguem pelo que fizeram e que, essa pena, independente de qual seja, sirva para intimidar todas as pessoas que saem de casa com o único intuito de causar destruição.

Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.