EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

5 de Agosto de 2020

Sem UTIs, Vale do Ribeira pode voltar ao vermelho

A taxa de ocupação de UTIs na região atingiu 89%, obrigando o Estado a transferir pacientes. Região está na fase amarela do Plano SP e pode regredir duas etapas

O Estado cogita fazer uma reclassificação extraordinária no Plano São Paulo até sexta-feira (31). A piora nos indicadores do Vale do Ribeira pode fazer com que municípios dessa região regridam duas fases – da amarela para a vermelha, mais restritiva. A taxa de ocupação de UTIs na região atingiu 89%, obrigando o Estado a transferir pacientes.

Nos últimos dias, conforme o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, dois doentes do Vale foram transferidos para hospitais da Baixada Santista.

Nesta quarta-feira (29), o prefeito de Itanhaém e presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale e Litoral Sul (Consaúde), Marco Aurélio Gomes (PSDB), foi ao Palácio dos Bandeirantes debater o assunto. O Estado prometeu liberar, até o final desta semana, dez leitos de UTI para tentar desafogar o sistema.

Nesta quinta-feira (30), Gorinchteyn e o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, percorrerão hospitais do Vale para analisar a situação. 

Vinholi afirmou que, juntos, Registro, Pariquera-Açu e Cajati somam 58% dos casos de covid-19 no Vale do Ribeira e 41% das mortes. Por isso, o retorno à fase vermelha pode atingir essas cidades.

Sem UTIs, Vale pode voltar ao vermelho

Tudo sobre: