EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Vicentino tem destaque na área de tecnologia e é citado na Forbes

Renato Fonseca está entre os dez profissionais negros que estão fazendo história nas grandes empresas do setor

A revista Forbes publicou, no último dia 24, uma matéria especial sobre inovadores negros. Na lista, que elenca os dez profissionais que se destacam no setor tecnológico, está Renato Fonseca, um vicentino de 51 anos que trabalha na Stefanini Consultoria em Informática S/A, uma empresa multinacional brasileira com sede em São Paulo.

O destaque valoriza a dedicação e empenho na busca por conquistas, apesar dos obstáculos presentes até hoje. “Não sofri diretamente preconceito, mas em algumas situações fiquei bem inconformado. Na universidade havia pouquíssimos negros e eu era o único da minha classe. Em reuniões executivas, é visível que há poucos negros em cargos de gestão. Quando fui dar aula, era um dos únicos professores universitários negros, dentro de uma estrutura grande de professores”, relata.

Hoje, Renato está entre os dez profissionais negros que fazem história nas grandes empresas de tecnologia. Profissionalmente, ele atende às solicitações dos clientes e entrega soluções de bancos digitais, PIX, indústria 4.0, Big Data, Analytics e inteligência artificial.

“Em contato com os clientes, eu identifico a real necessidade dele e o quanto isso pode impactar em negócios, para oferecer uma solução específica. Muitos clientes têm solicitado ‘Máquinas de Aprendizado’ – um subcampo da inteligência artificial. Podem resolver problemas de logística de forma mais precisa e mais rápida, por exemplo”, frisa o profissional.

Além da técnica de desenvolvimento de sistemas, gestão de projetos e plataformas mobile, Renato é formado em Tecnologia da Informação, com especializações em Engenharia de Software e Liderança Management 3.0, certificação Scrum Master. É também especialista em técnicas criativas de inovação, com uso de Design Sprint e Lean Inception.

“Agora a mudança está na organização de desenvolver os sistemas - ficávamos muitos meses desenvolvendo um sistema e realizávamos uma entrega no final do cronograma. Agora, fazemos entregas pequenas, mas consistentes, a cada duas semanas. Em resumo, isto chama-se mudança do modelo em cascata para modelo ágil”, ressalta.

Como titular das cadeiras de técnicas avançadas de programação e banco de dados, Renato também atuou como professor pós Lato Sensu da Universidade Mackenzie, campus Maria Antônia, em São Paulo (SP), durante dez anos.  “Foi uma experiência muito boa e assim que eu conseguir liberar mais tempo, voltarei a lecionar para universidades”, afirma.

Tudo sobre: