São Vicente começa a instalar primeiras câmeras de monitoramento

Cidade finalizou nessa semana o Centro de Controle Operacional (CCO), que concentrará dados gerados pelos equipamentos que, por ora, funciona apenas em imóveis municipais

A tecnologia passa a ser nova aliada no combate da criminalidade em São Vicente. A cidade começa a instalar o sistema de monitoramento por câmeras como suporte à política de segurança pública. A rede de “olhos eletrônicos” vicentina opera, inicialmente, com 355 equipamentos em 71 pontos, entre escolas e creches. Outras 175 câmeras serão colocadas nas 25 unidades de saúde. 

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos! 

O sistema é operado a partir do Centro de Controle Operacional (CCO), que começou a funcionar nesta semana. A unidade fica na Avenida Capitão Luís Pimenta, 811, no Parque Bitaru. Agentes da Guarda Civil Municipal (CGM) e da Polícia Militar ficarão responsáveis por acompanhar as imagens captadas  pelos aparelhos. 

De acordo com a administração vicentina, a ampliação da rede de câmeras se dará em duas etapas. Na primeira, os alvos serão as escolas e creches municipais. A ideia é evitar que essas unidades sejam alvo de vandalismo, invasões e furtos.  

A segunda fase do sistema prevê levar câmeras para os bairros  (Divulgação/PMSV):

Na fase complementar de ampliação do sistema de vigilância vicentina, os aparelhos serão instalados nos bairros. Conforme o planejamento municipal, pontos como a Praça Tom Jobim, no Píer do Gonzaguinha, na Praça 21 Irmãos Amigos (Itararé), no Mirante (Ilha Porchat), no Teleférico, na Divisa e na Avenida Presidente Wilson, esquina com a Avenida Ayrton Senna da Silva, na praia, receberão os equipamentos. 

Ainda segundo o poder público, os aparelhos foram doados por empresa privada, sem custo para o Município. A administração calcula, entretanto, gastos de até R$ 40 mil para dotar a rede de infraestrutura para o transporte dos dados. 

Em nota, a prefeitura destaca que estuda a implantação de câmeras dotadas de tecnologia OCR (leitura de caracteres especiais). Os aparelhos podem identificar, por exemplo, veículos com registro de furto ou roubo. “A interação com o Detecta, do Estado, também está sendo viabilizada junto aos órgãos envolvidos”, diz o comunicado. 

Tudo sobre: