EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

23 de Outubro de 2019

Ministério Público pede a interdição imediata da Ponte dos Barreiros, em São Vicente

Medida ocorreu após o término do prazo dado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para início de obras de reestruturação

O Ministério Público (MP) entrou com ação civil pública solicitando a interdição imediata da Ponte dos Barreiros ou novo laudo que ateste a segurança. A medida ocorreu após o término do prazo dado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para início de obras de reestruturação na ponte, em São Vicente. O prazo acabou na quarta-feira (17), sem que nada fosse feito. 

Em janeiro, um laudo do IPT apontou que era necessária uma obra de reestruturação com urgência. Ainda em janeiro, os técnicos do IPT liberaram o tráfego de caminhões com até dois eixos, que ficou proibido durante um período por conta dos riscos de colapso, mas estipularam um limite.

“O período de uso da ponte para esse tipo de veículo é de, no máximo, 180 dias. A liberação foi dada até que as obras de recuperação da ponte sejam iniciadas”.

Na época, o secretário de Trânsito e Transporte de São Vicente disse que buscaria recursos com o Governo do Estado para dar início às obras dentro do prazo. Apesar disso, a Prefeitura, responsável pela ponte, não realizou nenhuma ação para recuperar a estrutura.

PERIGO À VIDA

Segundo o promotor Eduardo Gonçalves de Salles, a utilização da estrutura, pelo que aponta o laudo do IPT, oferece perigo à vida e à integridade física das pessoas.

Questionada, a Prefeitura informou que a EMTU ficou responsável pela contratação de estudo para verificar a atual situação da Ponte dos Barreiros. Sobre a ação, a Prefeitura afirma não ter sido notificada.

A EMTU, por sua vez, informou que os estudos visam somente avaliar sea estrutura é passível de recuperação ou se é mais viável construir uma via exclusiva para trilhos, para a expansão do VLT.

*Com informações do G1

Tudo sobre: