EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

12 de Dezembro de 2019

Instituto de Pesquisas Tecnológicas descarta novo laudo na Ponte dos Barreiros

No final de agosto, o juiz deu 90 dias para que a Prefeitura contratasse o novo laudo estrutural da ligação seca

A Prefeitura de São Vicente promete encaminhar à Justiça a ata da reunião realizada ontem com técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) sobre a Ponte dos Barreiros, que liga as áreas Insular e Continental da cidade. O Município diz que os especialistas do órgão não veem como necessário novo laudo com a prova de cargas (peso suportado). O teste foi uma determinação do juiz Fábio Francisco Taborda, da Vara da Fazenda Pública de São Vicente.O encontro entre as partes ocorreu na manhã de ontem no Salão Nobre do Paço Municipal. 

No final de agosto, o juiz deu 90 dias para que a Prefeitura contratasse o novo laudo estrutural da ligação seca. Ele ainda recomendou que esse documento fosse elaborado pelo IPT. Caso a decisão não seja cumprida, a Ponte dos Barreiros pode ser bloqueada, de acordo com a decisão de Taborda. 

O secretário adjunto de assuntos jurídicos de São Vicente, Paulo Bonavides, informou em entrevista à TV Tribuna, que não vai descumprir a determinação, ainda que, mesmo diante do posicionamento do IPT, o juiz mantenha a posição sobre o laudo. 

“Os técnicos do IPT entendem que essa prova é desnecessária. Levaremos isso ao conhecimento da Justiça para que o juiz determine se não precisa ser feita a prova de cargas”.

Se Taborda acatar o pedido, Bonavides explica que o órgão entregará um novo laudo em fevereiro. Em caso de negativa, o secretário afirma que cumprirá a determinação.

Segundo o diretor de tecnologia de obras e infraestrutura do IPT, Wilson Iyomassa, no momento os técnicos avaliam as vigas da ponte. “Estamos fazendo a caracterização do trecho exposto e, talvez, a partir do mês vem começaremos a parte submersa”.

A Prefeitura informa que no final de 2018 o laudo com a prova de cargas foi realizado e que este tinha validade até julho. Daí a posição de não realizar novo estudo.

Medidas de segurança

Em meio aos estudos realizados pelo IPT, a Prefeitura chegou a contratar outra empresa para avaliar a estrutura. No laudo, algumas medidas de segurança foram indicadas e agora são seguidas, como a instalação de radares e lombadas para redução de velocidade a 40 km/h e a proibição da passagem de veículos com mais de dois eixos e com peso bruto total acima de 24 toneladas.

Tudo sobre: