Homem alega compartilhar espaço com pacientes de Covid-19 em São Vicente: 'Um deles faleceu'

Internado no Hospital Municipal desde o dia 22 de dezembro, Reinaldo Alexandre aguarda por cirurgia após fraturar fêmur e bacia

Fraturas na bacia e no fêmur mantém Reinaldo Alexandre da Silva, 37 anos, internado no Hospital Municipal de São Vicente desde o dia 22 de dezembro, quando sofreu um acidente de moto. Sem conseguir executar funções como tomar banho sozinho, paciente precisa de transferência para realizar cirurgia, mas reclama de falta de comprometimento dos profissionais, que não dão esclarecimentos sobre a situação.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Morador de Itanhaém, no Litoral Sul, o caminhoneiro e operador de caixa sofreu acidente na Ponte Pênsil, em São Vicente, no último dia 22. Ao chegar ao Hospital Municipal, foi diagnosticado com fraturas no fêmur e na bacia, lesões das quais o tratamento ocorre com cirurgia para colocação de prótese, porém, esta não acontece no hospital em que está internado por falta de recursos. Por isso, o paciente aguarda transferência para Santa Casa de Saúde de Santos, mas até agora, sem previsão.

"Não consigo me mexer, não levanto para tomar banho e faço as necessidades na fralda", explica Reinaldo Alexandre em apelo por ajuda. Por conta da dificuldade de locomoção, ele precisa de auxílio por 24 horas, como tem da esposa que fica de acompanhante. 

Porém, o hospital não autoriza a visita de sua irmã, Denise Alexandre da Silva dos Santos. "Não me deixam entrar para visitar meu irmão e nenhum médico fala comigo. Fiquei lá por um bom tempo sem resultado nenhum, sem poder falar com ninguém", explica.

Falta de estrutura

Reinaldo Alexandre também alega que divide quarto com dois pacientes com Covid-19 e que viu uma pessoa morrer por conta da doença ao seu lado. De acordo com ele, os funcionários do hospital sequer informaram sobre o fato ou fizeram testes nos demais pacientes que conviveram com os infectados pelo coronavírus.

"Nessa cama [ao lado] morreu um paciente com Covid-19. Do meu lado também tem mais gente, mais pacientes aqui que eu não posso mostrar o rosto das pessoas né", conta Silva.

 

Além disso, o operador de caixa explica que os ventiladores do quarto estão quebrados, bem como os banheiros do local. Segundo a irmã dele, também há falta de fraldas.

Resposta

Procurada por Atribuna.com.br, a Prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria da Saúde (Sesau), informou que os pacientes internados no final do ano passado, sob os cuidados do Serviço de Ortopedia no Hospital Municipal de São Vicente (HMSV), tiveram suas cirurgias suspensas porque a administração anterior deixou contas a pagar.

Com isso, a empresa que fornece os insumos para as cirurgias retirou os materiais e, consequentemente, as cirurgias tiveram que ser suspensas. Nesta terça-feira (12), a Sesau negociou com a empresa os valores em aberto e os materiais serão disponibilizados ainda esta semana. Desta forma, todas as cirurgias serão realizadas conforme cronograma do Serviço de Ortopedia, que necessita da retaguarda de leitos de UTI para realizar os procedimentos.

Além disso, a prefeitura ressaltou que todos os pacientes que aguardam cirurgia estão recebendo os devidos cuidados, como higiene, alimentação, medicação, e que se encontram internados em ala separada dos pacientes de Covid-19, como orientam as autoridades sanitárias.

Tudo sobre: