EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

18 de Novembro de 2019

Funcionários de São Vicente fazem moção de repúdio a vereador Higor Ferreira

Parlamentar subiu o tom ao sugerir que o prefeito identificasse pessoas competentes em sua equipe para realizar uma simples concorrência pública sem erros

Após o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) identificar recentemente irregularidades no contrato da iluminação pública em São Vicente, o vereador Higor Ferreira (PSDB) subiu o tom ao sugerir que o prefeito Pedro Gouvêa (MDB) identificasse pessoas competentes em sua equipe para realizar uma simples concorrência pública sem erros.

O fato gerou a indignação dos servidores do Departamento de Compras e Licitações da Administração Municipal. O secretário de Governo, Jefferson Teixeira, saiu em defesa de sua equipe, explicou que o parlamentar deveria se informar melhor antes de expor os funcionários e se colocou à disposição para esclarecer a situação.

Conforme apurado pela reportagem, os servidores que atuam no setor também ficaram indignados com o tucano e elaboraram uma moção de repúdio ao parlamentar, destacando que a equipe é formada por profissionais capacitados e competentes para promover todo e qualquer tipo de processo licitatório.

No documento, os trabalhadores do Departamento de Compras e Licitações de São Vicente justificam que a maioria deles é servidor de carreira “em constante busca de aprimoramento funcional através de cursos de capacitação, sempre visando a otimização da prestação do serviço público com excelência”.

Resposta

Em nota, com referência a possível nota de repúdio dos funcionários públicos do setor de licitações da Prefeitura de São Vicente, que seria expedida em função do seu posicionanento, o vereador Higor Ferreira, disse que o TCE identificou graves problemas nas contratações emergenciais da Prefeitura de São Vicente, para os serviços de iluminação pública, apontando a existência de falta de planejamento e emergência fabricada, cenário que pode acarretar improbidade administrativa.

Segundo o parlamentar, esses fatos o motivaram porque não é possível compactuar com emergência fabricada e falta de planejamento, principalmente em razão da existência de centenas de servidores comissionados.

Por fim, Ferreira esclareceu que não recebeu a reportada nota de repúdio, reafirmando que suas críticas foram dirigidas e miradas nos servidores comissionados, que vez ou outra utilizam as redes sociais para perseguir opositores do Prefeito em horário de expediente, ao invés de trabalharem (por exemplo, realizarem licitações no tempo certo). Lembramos que o setor de licitações é chefiado por um comissionado.

Tudo sobre: