EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

27 de Maio de 2020

Corrente do bem: Vicentina de 4 anos volta a enxergar depois de 5 meses

A menina, que tinha catarata nos dois olhos, ganhou a cirurgia e está feliz da vida por poder ver todos os seus brinquedos de novo

Depois de mais de 5 meses, a  pequena Maria Clara Silva Durval, de 4 anos, finalmente pode ver seus brinquedos e brincar normalmente. Para que isso se tornasse realidade, uma corrente do bem foi formada para ajudar a menina, que perdeu completamente a visão do olho esquerdo e passou a enxergar bem pouco com o olho direito por conta de uma catarata.

Ela fez as duas cirurgias na Santa Casa de Santos, em dias diferentes. E o resultado foi sucesso total. Tanto que ela tem adorado passar o tempo fazendo lição e desenhando.

A família lançou uma vaquinha virtual para fazer a cirurgia pela rede particular o mais rápido possível e a história contada por ATribuna.com.br sensibilizou muita gente a ajudar.

A mãe, Tamyres Ferreira da Silva, de 25 anos, foi procurada pelo empresário Marcelo Coelho, que entrou em contato com a Santa Casa de Santos e também aceitou ajudar na iniciativa. O oftalmologista Marcos Alonso Garcia fez o procedimento e abriu mãos dos honorários médicos.

Segundo Tamyres, a pequena estava com medo da cirurgia, mas ansiosa com a possibilidade de voltar a enxergar. Maria Clara foi flagrada pela mãe pedindo para que o “papai do céu tirasse aquelas manchinhas dos meus olhos”.

Pequena estava com medo da cirurgia, mas ansiosa com a possibilidade de voltar a enxergar (Foto: Matheus Tagé/AT)

“Ela ficou muito agitada. Era muita expectativa para dar tudo certo. Só posso agradecer a todas as pessoas que ajudaram e entraram em contato comigo”, desabafa a mãe, que está desempregada e cria a menina sozinha.

Segundo o oftalmologista Marcos, essa foi a primeira etapa do tratamento, com a retirada do bloqueio da visão e o implante das lentes intraoculares.

Nova etapa

Agora, começará a segunda fase, com estímulo da visão, que pode ter ficado ‘preguiçosa’ devido ao tempo que os olhos ficaram sem estímulo. Isso tem a ver com a região do cérebro. 

Maria Clara precisará de óculos especiais e alguns medicamentos para continuar o tratamento. 

A família, que mora na Área Continental de São Vicente, arrecadou mais de R$ 5 mil dos R$ 10 mil pretendidos para as cirurgias. Agora, o dinheiro terá um novo destino.

Segundo Tamyres, o dinheiro servirá para arcar com toda essa despesa, já que o procedimento cirúrgico não teve custos para a família.

“Cada centavo será usado para comprar óculos, colírio e até o transporte para as consultas. Eu estava desesperada, porque ela me perguntava quando voltaria a enxergar e ficava nervosa por ver tudo embaçado com um olho e escuro com o outro. Ela queria brincar e fazer as coisas, mas caía e se machucava. Tudo será diferente”, diz Tamyres.

Maria Clara precisará de óculos especiais e alguns medicamentos para continuar o tratamento (Foto: Matheus Tagé/AT)
Tudo sobre: