Com geração solar, Apae de São Vicente reduz 21,3% na fatura de energia

Entidade foi selecionada para um projeto-piloto como parte do convênio entre a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)

Um alívio nas contas mensais. É assim que a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São Vicente celebra a realização de um projeto-piloto desenvolvido pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Desde que passou a aproveitar a incidência dos raios solares para produzir energia elétrica, a entidade sentiu a redução de 21,3% na conta de luz. 

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços! 

A ação resulta numa economia mensal de R$ 480,00 na fatura de energia. Com isso, sobra um pouco mais de recursos para o atendimento das crianças que estudam na unidade. O terreno da entidade abriga uma escola para o ensino de 140 crianças, ambulatório, salas para sessões de fisioterapia, fonoaudiologia e psicologia, entre outras atividades pelas quais passam cerca de 400 pessoas com deficiência intelectual por dia.  

“Os recursos que economizamos na conta de luz e algumas doações que recebemos são direcionados para uma conta que é usada para reformas e obras de manutenção”, explica o presidente da Apae São Vicente, Antônio Íris Mazza. 

Ao gerar parte da energia que consome em suas dependências a partir de uma fonte limpa e renovável, a Apae São Vicente reduziu suas emissões de gases de efeito estufa (GEE), causadores do aquecimento global. A entidade se beneficiou ainda da conscientização sobre o uso racional de energia e da sensibilização para evitar desperdícios em decorrência da realização do projeto. Isso contribuiu com uma redução adicional de 10% no consumo de energia. 

Os resultados do monitoramento e as avaliações de desempenho do sistema possibilitaram comprovar na prática a viabilidade e os benefícios da geração solar na modalidade de geração distribuída, quando a energia é produzida no local em que é consumida. “A adoção de fontes limpas e renováveis de energia tem a dupla função de proteger o meio ambiente e responder às mudanças climáticas para garantir o bem-estar social, e, além disso, promove a conscientização da sociedade para o desenvolvimento sustentável”, ressalta o especialista em Energia do BID, Arturo Alarcón. 

Projeto 

A entidade vicentina foi escolhida para um projeto-piloto de instalação de módulos de geração de energia solar fotovoltaica. A iniciativa faz parte do Convênio de Cooperação Técnica firmado entre a SIMA e o BID, que avaliou o potencial de geração fotovoltaica em edifícios e espaços públicos de propriedade do governo paulista. “A instalação piloto na Apae comprova que a utilização de energia solar fotovoltaica é viável no território paulista e aliam desenvolvimento econômico com sustentabilidade ambiental”, explica o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido. 

Tudo sobre: