EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

20 de Novembro de 2019

Cachorro chora em sala de aula e professor viraliza com o pet nos braços; veja

O post, compartilhado por uma aluna de São Vicente, já tem 91 mil curtidas, 16 mil compartilhamentos, e mais de 2 milhões de visualizações

O professor e coordenador do Cursinho Comunitário Caiçara, que faz parte da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de São Vicente, Jorge Fernando Moreno Jacob, de 21 anos, levou sua cadela para a aula e a pegou no colo no meio da atividade. A vira-lata Inca, de 4 meses, estava agitada e pedindo atenção, Jorge então decidiu acalmá-la. Na hora, uma das alunas compartilhou o momento em uma rede social. 

Toda a ação ocorreu na noite de quarta-feira (26). Mas o que ele não esperava, é que o registro da aluna fosse gerar tanta repercussão na internet. O post, que foi compartilhado no twitter pela Amanda Pessoa, de 17 anos, já tem mais de 90 mil curtidas, 16 mil compartilhamentos, e 2 milhões de visualizações. 

Amanda conta que o momento foi muito espontâneo e engraçado. "Tinha mais gente na sala e o pessoal tumultuou. A gente tirou foto e foi muito despretensioso. Os professores costumam levar os cachorros para aula, é muito legal esse jeito (de dar aula) diferente", disse.  

Jorge, que também é aluno do terceiro ano da graduação de bacharelado em ciências biológicas, conta que é muito comum alunos e professores levarem seus animais de estimação para a universidade, pois o local tem muito verde. "Foi muito despretensioso, ela estava lá comigo e como eu tinha que dar aula pensei 'vou levar ela junto'. Já fiz isso umas duas ou três vezes", revelou.  

O professor diz que estão achando fenomenal tanto pela iniciativa de levar os animais para a aula quanto para o benefício do aluno e professor. "Ela ficou totalmente agitada durante a aula, então eu tive que pegar no colo. Isso gerou muita repercussão e a galera parece estar gostando", afirmou.

Jorge conta que o cursinho é pequeno - conta com 60 alunos. "Nossa relação aluno-professor é muito boa. Temos mais abertura no cursinho para trocar experiências, acredito que por isso deu mais visibilidade", pontuou. 

 

 

Tudo sobre: