EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

24 de Maio de 2019

Ausência de cobertura é principal reclamação de passageiros da Rodoviária de São Vicente

Em resposta, a prefeitura informou que a Codesavi, administradora da rodoviária, tem o projeto e a planilha de custo da cobertura prontos

Aberta há quase três meses, a nova rodoviária de São Vicente tem agradado ao publico, mas também provoca críticas. A principal delas é a ausência de cobertura na área de embarque e desembarque dos ônibus, o que obriga os passageiros a se submeter à chuva em dias de tempo fechado.

A rodoviária fica na Avenida Capitão Luís Antônio Pimenta, 130, no Parque Bitaru, e substituiu a antiga instalação, no Mercado Municipal (Praça João Pessoa, s/nº, Centro).

Inaugurado em 15 de dezembro pela Prefeitura, o novo espaço começou a receber os ônibus de viagem no dia 21 e só passou a funcionar integralmente em 10 de janeiro.

Atualmente, oito empresas operam na rodo[TEXTO]viária, com destinos para cidades como São Paulo, Campinas e São Bernardo do Campo. São cerca de 200 partidas e chegadas diárias no local, com movimentação de 1,5 mil a 2 mil passageiros em dias de semana. Aos sábados e domingos, o número sobe de 20% a 30%.

Explicações

Em nota, a Prefeitura de São Vicente informou que a Codesavi, administradora da rodoviária, tem o projeto e a planilha de custo da cobertura prontos.

“A intenção da empresa é instalar este equipamento o mais breve possível”, destacou a assessoria de imprensa, sem estipular data.

A Prefeitura comunicou ainda que a Codesavi mantém “contatos avançados” com outras empresas de transporte rodoviário para que sejam oferecidas, em até 50 dias, viagens para Belo Horizonte (MG), Juiz de Fora (MG) e cidades da Região Sul do País.