Médico que sofreu golpe de advogadas em Santos faz acordo para reaver mais de R$ 88 mil

Ele só descobriu o ocorrido 12 anos depois

Por: ATribuna.com.br  -  14/05/24  -  08:35
Á esquerda, o médico Marcos Caseiro; à direita, comprovante de depósito do dinheiro
Á esquerda, o médico Marcos Caseiro; à direita, comprovante de depósito do dinheiro   Foto: Arquivo pessoal

O médico infectologista Marcos Montani Caseiro, de 61 anos, que teve o dinheiro de uma ação judicial levado por duas advogadas, retirou as queixas da justiça após acordo. A informação foi confirmada pelo infectologista nesta segunda-feira (13).


Clique aqui para seguir agora o novo canal de A Tribuna no WhatsApp!


Caseiro deveria ter recebido mais de R$ 88 mil em 2013, ao ganhar uma causa movida para conseguir um reenquadramento de cargo, em 2006. No entanto, quem levantou a quantia foi a advogada que representava o médico, Lindinalva Cristina Marques. Ele só descobriu o ocorrido 12 anos depois da decisão.


“Tinham duas advogadas, uma parece que nem sabia da história. O resumo é que propuseram um acordo que eu, juntamente com a minha advogada, achamos justo e acabei aceitando esse acordo”, explica.


O médico reconhece que foi roubado, entretanto acredita que a justiça foi feita. “As pessoas erram, se desculpam e é justo que isso ocorra, né? Então essa decisão é final. Eu acho que a situação foi muito complexa, foi exposta. E, de alguma maneira, ela resolveu assumir isso e pagar. Então acho que no final deu tudo”, pontua.


A Tribuna entrou em contato com as duas advogadas, mas não obteve retorno até o fechamento desta reportagem.


Relembre

Na época, a ação foi movida contra a Prefeitura de Santos, sob a alegação que Caseiro cumpria uma função superior, mas não recebia para tal, por isso ele cobrou as diferenças nos valores recebidos no período trabalhado, e acabou ganhando a ação.


Em sua defesa, Lindinalva, a advogada, alegou que tentou localizar Caseiro, mas como não o encontrou, usou o dinheiro para comprar próteses de perna para a mãe e pagar os honorários de outra advogada que trabalhava junto com ela, Rosa Maria dos Passos.


A informação só veio à tona após 12 anos quando o médico recebeu uma mensagem por meio do WhatsApp no dia 30 de janeiro deste ano. Nela, uma mulher chamada Patrícia se apresentou como suposta secretaria de Rosa, dizendo que o pagamento havia sido liberado. No entanto, a mensagem era de cunho suspeito, pois dizia que para ter o valor, Caseiro deveria repassar um percentual.


Com a ajuda da atual advogada, Clécia Cabral da Rocha, o processo foi desarquivado e ao verificá-lo, ela descobriu que já havia uma decisão favorável ao cliente, que deveria ter recebido R$ 62 mil. No entanto, a Prefeitura depositou o valor junto com honorários advocatícios, elevando a quantia a R$ 84,9 mil, que, com os rendimentos, chegou a R$ 88,9 mil.


A reportagem de A Tribuna conversou com Caseiro, que disse que chegou a conferir a existência de contas bancárias judiciais em seu nome, mas nada foi localizado. “Eu não iria me esquecer de ter recebido 80 mil reais. Ninguém esquece”, ressalta.


Clécia conseguiu localizar as advogadas e realizou uma reunião com ambas no dia 27 de março deste ano. Na ocasião, Lindinalva teria confessado que ficou com o dinheiro, pois não conseguiu localizar Caseiro. Com a quantia, ela teria pagado os honorários de Rosa Maria e comprado próteses de pernas para a mãe, e que não teria condições de devolver o dinheiro.


No dia 11 de abril, uma nova reunião foi marcada, como forma de tentar um acordo entre as partes. No entanto, Rosa Maria disse que só pagaria judicialmente, enquanto Lindinalva disse que receberia precatórios e pagaria a quantia aos poucos. Porém, a proposta não foi aceita por Caseiro.


“Ela disse que foi atrás de mim na época e disseram que eu havia morrido, veja que barbaridade. Isso é totalmente absurdo. Como pode você entrar com o processo e o advogado pegar o dinheiro para ele sem te consultar? É admissível esse tipo de coisa. Agora eu só quero que ela seja punida conforme a lei, e devolva meu dinheiro”, declara.


Como o acordo não foi firmado, Clécia entrou com uma ação e representação cível sobre o caso. Porém, ainda existe a possibilidade de que uma ação criminal por apropriação indébita seja protocolada. Caso sejam julgadas culpadas, as advogadas correm o risco de ter o registro da Ordem do Advogados do Brasil (OAB) suspenso, assim como ter a perda de primariedade, a possibilidade de um a quatro anos de reclusão.


A reportagem entrou em contato com Lindinalva, e ela confirmou a versão de que teria procurado Caseiro no endereço residencial dele, mas foi informada que o médico havia falecido e que apenas tinha uma irmã que morava em São Paulo, mas não tinha o endereço dela.


"Eu usei para comprar uma prótese de perna para a minha mãe andar e tomar banho, e o restante ficou na conta. Eu ofereci parte do dinheiro e a garantia de precatórios, mas ele não aceitou. A minha manifestação é de tristeza e arrependimento, e estou pedindo forças a Deus para resolver isso", declara.


Logo A Tribuna
Newsletter