CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Grupo hacker entra em reunião virtual da OAB-Santos e homem se masturba ao vivo
Caso ocorreu na segunda (19) durante encontro da Comissão da Mulher Advogada. Entidade tomará as devidas providências
Por: Cássio Lyra  -  21/04/21  -  06:40
Grupo disponibilizou conteúdos pornográficos em reunião virtual da OAB Santos   Foto: Divulgação

Um grupo hacker entrou em uma reunião virtual da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP) Subseção de Santos e espalhou conteúdo pornográfico durante o encontro. Não bastasse o conteúdo impróprio, um dos participantes do grupo chegou a ser masturbar ao vivo com a câmera ligada.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O encontro virtual ocorreu na noite de segunda-feira (19). A advogada e professora universitária Flávia Nascimento, presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB Santos, comandava o encontro que contaria com a participação da advogada Cindia Moraca.


Ela seria convidada para uma palestra sobre 'Stalking', que representa perseguição, que foi decretado como crime segundo o Código Penal. O link para realização da reunião estava disponível para quem quisesse participar.


"Eu estava comandando a reunião e, por ser aberta, aceitava e autorizava a participação de quem pedia para entrar na reunião", relatou Flávia. A advogada começou a suspeitar quando mais pessoas entravam no encontro virtual, mas não se manifestavam. Eis que, em determinado momento, um desses participantes começou a compartilhar conteúdos impróprios.



"Eu vi a presença das pessoas, mas ninguém interagindo. Daí eu pedi que eles ligassem as câmeras, como se tivéssemos em um encontro presencial. Nisso, um dos participantes compartilhou a tela com vídeos pornográficos, vídeos de mulheres em situação degradantes", comenta.


Rodrigo Julião – presidente da OAB Santos


A advogada excluiu a presença do participante, mas ele já havia hackeado o endereço em que ocorria a reunião. O suspeito adicionou mais pessoas ao encontro virtual, onde mais cenas impróprias ocorreram.


"Hackearam o link e eles conseguiam autorizar novos participantes. Eu não tinha mais o controle. Esses participantes ligaram suas câmeras e era cenas ao vivo de sexo oral, masturbação, cenas horríveis. Percebemos não tinha como conter, derrubamos a reunião e continuamos por um outro meio", disse.


A palestra com Cindia Moraca seguiu em um link privado, sem a presença de nenhum grupo hacker. "Isso configura como um crime cibernético e normalmente esses ataques ocorrem quando falamos de direito da mulher. isso me entristece demais, mas ao mesmo tempo me dá forças pra continuar o trabalho porque sei o quanto a gente precisa", concluiu.


Crime


A Lei 12.737/2012 altera o Código Penal e tipifica os crimes cibernéticos no Brasil. Quem invadir dispositivo informático alheio (computadores, tablets, notebooks, celulares, entre outros), conectados ou não à internet, criar programas de violação de dados ou divulgar e negociar informações obtidas de forma ilícita poderá ser punido com multa e até prisão. As penas aplicadas variam de três meses a dois anos de reclusão.


OAB-Santos


OAB-Santos repudiou o episódio e afirmou que vai tomar as devidas providências   Foto: Reprodução

O Presidente da OAB-Santos Rodrigo Julião afirmou, em nota, que repudia toda e qualquer manifestação que ofenda a mulher, seja no ambiente que for, até mesmo no virtual. Ele ressaltou que a entidade vai entrar em contato com a autoridade policial para acompanhamento do caso e punição para os responsáveis.


Leia a nota na íntegra


A Diretoria da OAB Santos repudia toda e qualquer manifestação que ofenda a mulher, seja no ambiente que for, até mesmo o virtual. Em um momento em que o País precisa de união, de solidariedade com o outro, é vergonhoso, saber de um episódio que demonstra a violência contra a mulher, quando ela utiliza um meio de visibilidade para, justamente, debater tal situação.


O desrespeito não foi apenas contra um grupo de mulheres, de uma comissão que luta na defesa dos direitos de todas as mulheres. O ato atingiu uma instituição que tem, como seu maior patrimônio, a defesa e respeito pelos direitos do cidadão.


A OAB Santos vai entrar em contato com a autoridade policial para acompanhamento do caso e posterior punição para os responsáveis.