EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

17 de Agosto de 2019

Após protesto de médicos, Prefeitura de Santos assegura manutenção no prédio da Ambesp

Mal conservado, prédio põe saúde de frequentadores em risco

Médicos que trabalham no Ambulatório de Especialidades Médicas (Ambesp) de Santos, no bairro Vila Nova, ameaçaram interromper o atendimento à população na manhã desta segunda-feira (12). O ato foi motivado pelo precário estado de conservação do imóvel e por riscos à saúde dos pacientes, devido ao acúmulo de fezes de pombos no teto. A prefeitura promete melhorias paliativas no local até a mudança definitiva da unidade, que só vai ocorrer em 2020.

O protesto começou antes de se iniciar o atendimento ao público, de manhã cedo. Os profissionais afirmaram que o teto da unidade médica tem buracos que facilitam a entrada de pombos. As aves ficam entre o telhado e placas de isopor utilizadas como isolamento térmico. É sobre esse material que se acumulam as fezes dos animais.  

Segundo os trabalhadores, a situação agrava o risco de contágio por criptococose, popularmente conhecida como doença do pombo. É uma infecção causada pela aspiração do fungo que pode estar presente nas fezes de aves. No mês passado, dois homens morreram na cidade por complicações decorrentes da moléstia, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

A situação na unidade só se normalizou após os trabalhadores do local receberem a garantia de um representante da pasta de que a prefeitura providenciará reparos. Entre as ações paliativas, destacam-se a troca do forro de isopor e uma análise no imóvel para localizar possíveis pontos em que as aves conseguem entrar no local. 

A precária situação do imóvel é alvo constante de reportagens e reconhecida pelo Poder Público. Em dezembro passado, usuários do local relataram para A Tribuna problemas no telhado da unidade, acúmulo de fezes de pombos e entre outras pendências. Na ocasião, o secretário municipal de Saúde, Fábio Ferraz, prometeu melhorias no local em até 30 dias.  

O titular da pasta declara ter providenciado melhorias desde aquela ocasião. “Notificamos o proprietário do imóvel para providenciar as reformas no telhado”. Agora, ele menciona que a administração santista trocará o forro novamente, o que ocorrerá nos próximos dias.  

Ferraz sustenta que as melhorias são pontuais, para manter o espaço em funcionamento até a mudança de endereço.  

Tudo novo  

Com previsão para ter as obras concluídas até o fim de novembro, o futuro prédio do Ambesp está em construção, na esquina das ruas Manoel Tourinho e Rua José Francisco Valença, no Macuco. Ferraz espera que o novo espaço seja aberto à população no começo de 2020.  

A construção é feita pela Fundação Lusíada, por meio de uma parceria com a prefeitura. Ferraz adianta que o espaço ficará sob gestão de uma Organização Social (OS) “de alto gabarito”.  

Ele cita os exemplos do Hospital dos Estivadores e da UPA Central, ambas terceirizadas. Segundo ele, o modelo possibilita a contratação de mão de obra de forma mais rápida do que no Poder Público.