EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

21 de Maio de 2019

Servidores da Educação de Praia Grande buscam piso salarial do Magistério

Reunião da categoria ocorreu na manhã do último sábado, na colônia de férias dos comerciários

Atendentes da Educação participaram, na manhã do último sábado (30), de uma reunião do Sindicato dos Servidores Municipais de Praia Grande para exigir da prefeitura o piso salarial do Magistério.

A categoria, que conta com cerca de 1.500 profissionais - mulheres na maior parte -, recebe abaixo do piso, que é de R$ 2.557. Atendentes I ganham R$ 1.100, e do nível II, R$ 1.500.

“É um absurdo que recebam R$ 1.450, é R$ 1.000 a menos que o piso garantido pelo Ministério da Educação”, reclamou o presidente do sindicato, Adriano Roberto Lopes da Silva, o Pixoxó.

Uma das atendentes disse na reunião que a prefeitura prometeu, há alguns anos, enquadrá-las na categoria de professor, cujo salário é de R$ 2.880, além de benefícios. “Não cumpriram a palavra, apesar de o pessoal ter se esforçado e estudado bastante na formação pedagógica, inclusive com pós-graduação”, lamenta o sindicalista.

Outra atendente, que também não se identificou, lembrou que a atividade profissional é importante para a formação das crianças, para toda a vida. Segundo ela, os níveis I e II exercem as mesmas tarefas.

Além do piso garantido pela Lei Federal 11.738/2008, os atendentes querem ser enquadrados nas normas do Magistério, que garante outros direitos e benefícios.

Adriano encaminhará as reivindicações à prefeitura, e disse que “será uma luta difícil, mas não impossível. Precisamos, no entanto, de maior participação da categoria”.

O sindicalista orientou aos atendentes a participarem da primeira assembleia da campanha salarial, na sexta-feira (5), às 19h, na colônia de férias dos comerciários, onde ocorreu a reunião de sábado.

Em nota, a Prefeitura de Praia Grande informou desconhecer o que foi tratado nesse encontro, visto que foi uma reunião fechada do Sindicato dos Trabalhadores Municipais da Estância Balneária de Praia Grande. Desta forma, o município vai se pronunciar somente após ter acesso ao conteúdo da reunião e aos questionamentos nela propostos.