Praia Grande tem as melhores notas do Ideb na Baixada Santista

Rede municipal de ensino registrou notas 6,5 e 5,5, respectivamente, nos anos iniciais e finais

A rede municipal de ensino de Praia Grande obteve as melhores avaliações regionais conforme os parâmetros do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). As notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) relativo à 2019, divulgadas pelo Ministério da Educação (MEC), sinalizam que cidade apresenta evolução no setor. 

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos! 

Conforme o MEC, a rede municipal praia-grandense registrou notas 6,6 para anos iniciais e 5,5 para os anos finais do Ensino Fundamental. Trata-se da mais elevada entre as nove cidades da Baixada Santista. 

O desempenho apresentado pelos alunos dos anos iniciais foi superior à meta estabelecida pelo MEC para 2021 à rede praia-grandense. Com a nota de 6,6, a cidade ficou 0,2 acima da meta prevista para a próxima edição do Ideb (estimado em 6,4 pontos).

Comparando a performance dos estudantes praia-grandenses com as notas relacionadas à prova  anterior novo resultado satisfatório. Em 2017, Praia Grande atingiu a marca de 6,4, uma evolução de 0,2 para 2019. 

Na comparação com as demais cidades da Baixada Santista, Praia Grande garante a nota mais alta com 6,6 para anos iniciais. Bertioga apresenta o segundo melhor desempenho ao alcançar a marca de 6,5 pontos, ficando 0,7 acima da meta que era de 5,8. Logo após vem Itanhaém com o resultado de 6,2, 0,1 a mais do que o determinado como meta pelo MEC. 

Nos anos finais, Praia Grande também lideram com a nota de 5,5. Logo após, Itanhaém e Guarujá apresentaram a marca de 5,4. Entretanto, mesmo com evolução, a Cidade ficou 0,4 pontos abaixo da meta estabelecida pelo Ministério da Educação para esse segmento, que era de 5,9. 

Educação  

Segundo a administração municipal, o resultado é fruto “do constante investimento em infraestrutura de qualidade para a área da Educação, principalmente em tecnologia como as lousas digitais” que “propiciam bom nível de aprendizado aos alunos”.  

A prefeitura indica ainda a capacitação dos docentes e incentivo para que os profissionais “continuem a aperfeiçoar o conhecimento, bem como, a participação dos estudantes em competições nacionais, também estão influenciando no desempenho positivo do Município”. 

Já a Secretaria Municipal de Educação destaca a reformulação do material pedagógico, como apostilas e conteúdo. “Outros aspectos como as avaliações institucionais internas realizadas a cada três meses, a análises sistêmica dos dados informativos das escolas e o intenso trabalho no combate a diminuição da evasão escolar também são destaques”, informa em nota. 

Histórico  

O IDEB é o principal indicador utilizado pelo MEC e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) para avaliação da qualidade da Educação no País. Criado em 2007, baseado em uma escala que vai de zero a dez, sintetiza dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação: aprovação e média de desempenho dos estudantes em Língua Portuguesa e Matemática. 

O indicador é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e média de desempenho nas avaliações do Inep, Saeb e Prova Brasil. A série histórica de resultados do IDEB se iniciou em 2005, a partir de quando foram estabelecidas metas bienais de qualidade a serem atingidas não apenas pelo País, mas também por escolas, municípios e unidades da Federação. 

A lógica é a de que cada instância evolua de forma a contribuir, em conjunto, para que o Brasil atinja o patamar educacional da média dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em termos numéricos, isso significa progredir da média nacional 3,8, registrada em 2005 na primeira fase do ensino fundamental, para um Ideb igual a 6,0 em 2022. 

Tudo sobre: